Blog do Paraíso: Outubro 2010

sábado, 30 de outubro de 2010

Única pergunta sobre corrupção foi feita por brasiliense

A única pergunta sobre corrupção feita no último debate entre os presidenciáveis, José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), foi de um morador do Distrito Federal (DF). Desde 27 de novembro de 2009, quando a Polícia Federal abriu a Caixa de Pandora, o DF vive uma crise sem precedentes. O governador eleito José Roberto Arruda (ex-DEM) foi preso, cassado e solto. Atualmente, os brasilienses estão sob o comando de um governador biônico, chamado de Rogério Rosso (PMDB-DF).

A pergunta sobre corrupção foi feita para José Serra que, sem citar o nome de Dilma, atacou a candidata do PT indiretamente. Serra disse que o exemplo tem que vim de cima e que um presidente, governador ou prefeito tem que escolher bem as pessoas que trabalham ao lado de seu gabinete para não deixá-las cometer atos de corrupção. Assim, o tucano fez uma referência vaga e indireta para a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra, suspeita de cometer, junto com seu filho Israel Guerra, tráfico de influência.

Na réplica, Dilma revidou o ataque, também sem citar o nome do adversário. Ela comentou sobre a importância de se investigar e punir casos de corrupção, “doa a quem doer”. Em debates anteriores, Dilma acusou Serra de não fazer nenhuma investigação no suposto sumiço de 4 milhões de reais do caixa da campanha presidencial do tucano, supostamente arrecadados de maneira ilegal pelo ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto.

O último debate entre os presidenciáveis foi realizado pela TV Globo na noite dessa sexta-feira, 29 de outubro de 2010. O debate foi dividido em três blocos e todas as perguntas – 12 no total – foram feitas por eleitores indecisos de diversas regiões do Brasil.

Os temas abordados foram funcionalismo público, agricultura familiar, corrupção, segurança, saneamento, educação, meio ambiente, políticas sociais, previdência e reforma tributária.

Consórcio que constrói Rodoanel contratou família de Paulo Preto

FLÁVIO FERREIRA
DE SÃO PAULO
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

Um dos consórcios construtores do Rodoanel contratou de forma emergencial e pagou R$ 91 mil à empresa do genro e da mãe do engenheiro Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, à época em que Souza era diretor de Engenharia da estatal paulista Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A.).

A companhia contratada pelo consórcio Andrade Gutierrez/Galvão no ano de 2009 foi a Peso Positivo Transportes Comércio e Locações Ltda. -ME, que tem como sócios Fernando Cremonini, genro de Souza, e Maria Orminda Vieira de Souza, mãe do engenheiro.

Viver é recordar (ou vice-versa)

Comentário deste Blog: neste artigo, o jornalista Fernando Rodrigues comenta o índice de aprovação dos presidentes civis brasileiros, após a ditadura militar. Em certo momento, ele afirma que FHC, aliado de José Serra (PSDB), “terminou seu mandato com o governo sendo aprovado por 26% - uma marca até considerável depois de oito anos de poder num país desestruturado como o Brasil”.

O que vemos hoje no Brasil? Um país estruturado e um presidente com 83% de aprovação.

Popularidade do governo Lula no início se equipara às de Collor e de FHC

* Petista chega ao Planalto com governo aprovado por 56,6%
* Collor e FHC tiveram também alta aprovação no início

Fernando Rodrigues
(texto publicado no site da UOL)

BRASÍLIA - 30.jan.2003 - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o quinto presidente civil depois da redemocratização do país, começa seu governo com uma aprovação alta. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Sensus, o governo Lula tem 56,6% de respostas "ótimo" e "bom" no seu primeiro mês.

Assim como Lula, Fernando Collor de Mello (1990-1992) e Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) também começaram com uma aprovação alta.

Segundo levantamento do Datafolha de março de 1990, quando Collor tomou posse, 71% dos eleitores tinham uma expectativa de que o governo federal fosse "ótimo" ou "bom". Três meses depois, em junho de 90, esse percentual de Collor já havia caído para 36%.

Também de acordo com o Datafolha, FHC assumiu com 70% dos eleitores acreditando que o tucano faria um governo "ótimo" ou "bom". Três meses depois da posse, a avaliação positiva de FHC tinha caído para 39%.

Lula parece repetir a trajetória. Começou com 76% de expectativa positiva antes da posse. Caiu para 56,6% pouco depois da metade do primeiro mês de mandato.

Fica mais fácil perceber como foi o desempenho de cada um dos cinco presidentes civis desde a redemocratização analisando o quadro abaixo:



O que mais chama a atenção nesse quadro é a inversão brutal na curva de aprovação de Fernando Collor. Começou com uma expectativa de aprovação de 71% para seu governo no primeiro mês. No final, entretanto, a administração collorida foi rejeitada (respostas "ruim" e péssimo") por 68% dos pesquisados.

É evidente que seria um disparate traçar qualquer tipo de paralelo entre Collor e Lula. Sejamos diretos: Lula não é Collor. Mas é um fato concreto que ambos são os dois presidentes civis pós-redemocratização que mais se aproximam da linguagem popular. FHC também registrou uma expectativa positiva altíssima em relação ao seu governo. Mas a forma de o tucano fazer campanha e o jeito polido e culto de falar o colocam numa categoria diferente da de Collor e de Lula.

Nada disso ocorreu com José Sarney (1985-1990) e com Itamar Franco (1992-1994). Infelizmente, não há pesquisas disponíveis sobre a popularidade de Sarney durante o ano de 1986, quando lançou o Plano Cruzado. Nem há também uma pesquisa sobre a expectativa dos eleitores sobre o governo Sarney.

Aliás, nunca é demais lembrar ao internauta que esta página oferece uma extensa compilação de pesquisas de opinião disponível no link Pesquisas de opinião. São levantamentos diversos, sobretudo sobre popularidade de presidentes brasileiros. Para pesquisas de opinião durante períodos eleitorais, consulte os links de cada eleição na barra de botões do lado esquerdo desta página.

Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) teve grandes picos de popularidade. Mas a julgar pelo seu começo e pelo seu final, deixou nos eleitores a impressão de ser um presidente médio. A administração tucana teve 39% de aprovação em março de 1995. FHC terminou seu mandato com o governo sendo aprovado por 26% -uma marca até considerável depois de oito anos de poder num país desestruturado como o Brasil, mas muito menos do que Itamar Franco, o recordista de popularidade ao sair do Planalto, com 41% de "ótimo" e "bom".

O que esses números revelam? Impossível dizer. Por enquanto, só o que já está registrado: Collor teve e Lula tem linha direta com a população. O primeiro usou esse patrimônio de uma forma desastrosa. Erodiu rapidamente metade da sua popularidade. Lula começou diferente, pois não seqüestrou o dinheiro das contas das cadernetas de poupança.

O bloqueio do dinheiro do Plano Collor foi uma das mais estapafúrdias medidas econômicas que o Brasil já presenciou. Ainda assim, o episódio é útil para demonstrar o poder do então presidente. À época, Paulo Francis escreveu que se isso ocorresse nos Estados Unidos dificilmente um copeiro da Casa Branca deixaria de dar um tiro no presidente.

A perda de popularidade de Collor nos primeiros três meses parece apenas um padrão, depois repetido por FHC -e que está para se confirmar com Lula. Collor não perdeu popularidade porque confiscou o dinheiro dos brasileiros. Ficou menos popular porque parece ser esse o destino natural de qualquer governante.

Apesar da perda de popularidade, Collor não sofreu pouco ou nenhum protesto. O Brasil é um país cordial, lhano ou abúlico -o adjetivo depende do gosto do freguês. Logo depois da violência do bloqueio do dinheiro da população, o que era possível observar era uma adesão em massa da população e do "establishment". É quase inacreditável acreditar nessa página obscura da história recente.

É muito revelador da alma brasileira o início do governo Collor. O poder de um presidente popular é gigantesco. Saudades da senzala? Não se sabe. Com a palavra sociólogos, historiadores e antropólogos.

Lula está certo quando diz a assessores e governadores que sua chance é agora. Se usar a força de que dispõe neste ano de 2003 para aprovar reformas estruturais importantes, certamente terá um final muito mais alentador do que Collor.

Ocorre que há engrenagens enroscando por todos os lados no governo Lula. A começar pela área social, com o programa Fome Zero. Depois de idas e vindas, ninguém nos bastidores do PT é capaz de apostar que a grande prioridade de Lula vai dar certo.

Já houve também desencontros em muitas áreas, sendo a Previdência Social a principal delas.

Pode-se creditar esses escorregões ao início do governo. A equipe ainda não está totalmente entrosada. Mas o tempo agora corre contra Lula. Cada dia sem uma ação executada é um problema a mais no final do mandato.

No ano que vem, 2004, haverá eleições municipais. O tempo é agora. No primeiro semestre de 2003. Se Collor seqüestrou a poupança e todos aplaudiram, Lula poderá propor várias reformas constitucionais que o Congresso certamente aprovará. Resta saber se o presidente estará disposto a correr o risco de perder um pouco de popularidade agora para garantir um final mais tranqüilo.

Campanha sem fim
O grande obstáculo de Lula será interromper o ritmo de campanha sem fim que adotou em seu governo. Em Davos, na Suíça, o presidente se auto-incumbiu da missão de acabar com a fome no planeta Terra.

Para o internauta julgar, estão à disposição nesta página, no link Documentos já divulgados nesta página os recentes discursos de Lula em Porto Alegre, Davos e no lançamento do programa Fome Zero.

Segundo Instituto CB Data, Agnelo mantém ampla vantagem sobre Weslian

Se a eleição fosse hoje, candidato petista teria 59% dos votos válidos, contra 41% de sua adversária, e estaria eleito para o cargo de governador do DF. Pesquisa foi feita com 1,1 mil eleitores entre quarta-feira e ontem

Ricardo Taffner
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

Na véspera da eleição que decidirá o nome do próximo governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT) segue à frente com uma grande margem de folga em relação à adversária. De acordo com pesquisa do Instituto CB Data encomendada pelo Correio Braziliense, se a eleição fosse hoje, o petista teria 59% dos votos válidos e Weslian Roriz (PSC), 41%. Considerando a intenção de voto, Agnelo surge com 50% das intenções, enquanto sua rival aparece com 34% da preferência do eleitorado. Entre os pesquisados, 8% afirmaram que pretendem anular o voto e outros 7% ainda não se decidiram ou prometem votar em branco.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Ex-secretária de Roriz devassa esquema Qualix


Carlos Carone
carone@jornaldebrasilia.com.br

A ex-secretária Domingas Gonçalves Trindade, 40 anos, foi ouvida ontem na Divisão de Repressão aos Crimes Contra a Administração Pública (Decap), da Polícia Civil do Distrito Federal, sobre as acusações que faz contra o ex-governador Joaquim Roriz; o presidente do PSC-DF, Valério Neves; os senadores Sérgio Guerra (PSDB-PE) e José Agripino Maia (DEM-RN); o empresário Eduardo Badra; e o ex-diretor da Belacap (estatal responsável pelo serviço de ajardinamento e limpeza urbana do DF), Luís Flores. Todos são acusados de se servirem de um esquema de desvio de dinheiro envolvendo a Qualix, empresa que faz o recolhimento do lixo no DF.
O depoimento foi acompanhado da apresentação de uma série de provas documentais. Domingas denunciou um esquema que, até então, não tinha o respaldo de tantos elementos. Ela acusa Roriz, Valério, Agripino e Guerra de receberem propina proveniente de contratos firmados entre o GDF e a Qualix.

Indecisos são apenas 4%, e Dilma mantém 12 pontos de dianteira, diz Datafolha

FERNANDO RODRIGUES
DE BRASÍLIA
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

Pesquisa Datafolha realizada ontem voltou a indicar estabilidade no quadro da corrida presidencial, com Dilma Rousseff (PT) mantendo liderança de 12 pontos sobre José Serra (PSDB).

A diferença agora é que o percentual de indecisos caiu de 8% para 4% em dois dias. Essa redução nesse grupo de eleitores indica que há cada vez menos espaço para mudanças na tendência de favoritismo da candidata do PT.

Pela 1ª vez no 2º turno, Weslian participa de um debate

A candidata Weslian Roriz (PSC-DF), finalmente, compareceu a um debate deste segundo turno para governador do Distrito Federal (DF). Embora não tenha afirmado novamente que vai defender “toda aquela corrupção”, Weslian não se saiu bem. A candidata fez pergunta fora do tema, deixou de responder uma questão e se atrapalhou, pelo menos, três vezes no momento de formular o questionamento para seu oponente, Agnelo Queiroz (PT-DF). Se o tempo não utilizado por Weslian for somado, chega a um total de 5 minutos.

Promovido pela TV Globo Brasília na noite dessa quinta-feira, 28 outubro, o último dos sete debates foi dividido em três blocos. No primeiro, foram feitas quatro perguntas sobre “temas sorteados”. No segundo, os temas foram livres. As considerações finais ficaram para o terceiro bloco. O candidato tinha 30 segundo para formular a pergunta. Um minuto e meio para responder. Um minuto para a réplica. E mais um minuto para a tréplica.

Entrevistado nos seis debates que Weslian não compareceu, Agnelo respondeu todas as perguntas e aproveitou dois momentos para se defender das acusações veiculadas nos programas de TV da candidata da coligação Esperança Renovada. Primeiro, o petista perguntou se Weslian conhecia a ficha policial dos “marginais” que o acusa de desviar recursos públicos do programa Segundo Tempo do Ministério do Esporte.

Weslian deu uma resposta que durou 34 segundos – sobraram 56. “Se aconteceu, o senhor fez”, afirmou a candidata.

Na réplica, Agnelo negou as acusações. O candidato da coligação Um Novo Caminho voltou a desmentir o programa de TV da adversária nas considerações finais. Disse que era “vítima de ataques sórdidos e violentos”. E estava sendo acusado por “bandidos” que ele nunca teve contato “nem por acaso”.

Um dos temas "sorteados" no primeiro bloco foi “corrupção”. Weslian ficou encarregada de fazer a pergunta. Os 30 segundos não foram suficientes para a candidata questionar Agnelo como ele ia lidar com as pessoas que estavam do lado do ex-governador Joaquim Roriz (PSC-DF) e hoje estão do lado dele. A jornalista Cristina Serra, mediadora do debate, teve que dar mais alguns instantes para a mulher de Roriz concluir a pergunta.

“A pergunta não é do tema sorteado, mas vou responder mesmo assim, em respeito ao telespectador”, comentou Agnelo.

Já a questão que Weslian não respondeu se refere à criação da “Cidade da Saúde”, uma das propostas de seu plano de governo. O candidato petista perguntou como será a “Cidade da Saúde” e como ela irá atender moradores de diversas regiões do DF, como Brazlândia e Planaltina. “Ela não respondeu, mas eu respeito”, considerou Agnelo.

É para rir ou para chorar?!

O sol, no mesmo lugar, começa a aparecer como se fosse ele quem estivesse se movendo. No céu, nenhuma nuvem. Quase todas foram embora, após a chuva que caiu à noite. A umidade do ar está bastante alta. Tudo indica que o novo dia que começa será muito bom. Uma oportunidade para sair da rotina. Quem sabe, deixar de lado o “brown”, passar o dia sóbrio e caçar o que fazer, talvez um emprego, ainda que de “orelha seca” – quem mandou você não estudar? “Que nada. Tô de boa”, é o que responde um dos jovens que passa o dia inteiro fumando maconha nas esquinas – próximo a minha casa!!

Certa vez, inventei de falar de política com dois deles. “No segundo turno, eu não vou votar na Dilma!”, disse um. “Eu vou votar na Weslian!”, completou, cheio da razão. Constrangido em corrigir uma informação tão óbvia, fiquei admirado com a ignorância do rapaz. “A Weslian não é candidata a presidente”, falei, um pouco sem jeito. A fixa do outro rapaz caiu e ele começou a rir do outro. “Mas é burro! Há, há, há!”, disse apontando para o colega. “A Weslian não é candidata a presidente”, repetiu o que eu disse. Depois, perguntou para o ignorante: “Quais são os candidatos a presidente?”

O rapaz olhou para mim. Eu olhei para ele. Ele olhou para o que fez a pergunta. Depois, olhou novamente para mim e não soube falar nada. Não acreditei que ele não sabia dizer o nome dos dois candidatos a presidente do Brasil que estão no segundo turno. “Há, há, há! Que burro!”, gargalhou o outro, sem perdão. Não dei nenhuma risada. Senti pena do rapaz. Tão jovem e tão ignorante. Uma vida consumida pelas drogas.

“Quer saber de uma coisa? Não vou votar em ninguém nessa porra!”, protestou o rapaz ignorante. “Que é isso, moço? Não faça isso não!”, tentei acalmá-lo. “Não vou votar em ninguém. E daí?”, apelou. Percebi que era um caso perdido e não adiantava discutir. Fui embora.

Até agora não sei se ele sabe o nome dos candidatos a presidente do Brasil que estão no segundo turno. E olha que só são dois. Imagina se eu tivesse perguntado o nome dos outros dois principais candidatos que disputaram o primeiro turno?

Infelizmente, essa é uma amostra da nossa juventude, consumida pelas drogas. E ainda não terminou. Olha só o que ouvi, certa vez quando eu estava voltando da biblioteca. Trazia comigo dois livros que integram a segunda parte da obra O Tempo e o Vento, de Erico Verissimo.

Na esquina – sempre na esquina – encontrei um desses rapazes que passam o dia inteiro fumando um “brown”. “Você já leu, pelo menos, um desses na vida?”, perguntei, entregando o livro para o jovem segurar. “Nunca li e nem vou ler”, disse sorrindo. Se fosse ele, eu chorava.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Agnelo amplia para 28 pontos vantagem sobre Weslian Roriz no DF, aponta Ibope

Candidato petista lidera a pesquisa com 64% dos votos válidos contra 36% da rival

Jair Stangler/SÃO PAULO - Estadão.com.br

O candidato do PT ao governo do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, ampliou a liderança na disputa contra Weslian Roriz (PSC) para 28 pontos porcentuais nos votos válidos, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada nesta quinta-feira, 28.

Na soma dos votos válidos (que exclui brancos, nulos e indecisos), Agnelo vence por 64% a 36%, uma diferença de 28 pontos porcentuais. Na pesquisa anterior, o petista tinha 60% contra 40% de Weslian.

Dilma abre 14 pontos de vantagem sobre Serra, aponta Ibope

Petista aparece com 57% dos votos válidos contra 43% de adversário tucano

Jair Stangler/SÃO PAULO - Estadão.com.br

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, abriu 14 pontos de vantagem sobre José Serra (PSDB), segundo pesquisa Ibope/Estado/Globo divulgada nesta quinta-feira, 28. De acordo com o levantamento, a petista registra 57% dos votos válidos (que exclui brancos, nulos e indecisos) contra 43% do tucano. No levantamento anterior, Dilma aparecia com 56% contra 44% de Serra.

“Não usem meu nome para o vale-tudo eleitoral”, repreende Marina

(texto publicado no Blog da Marina)

A senadora Marina Silva (PV-AC) criticou, hoje, duramente os setores do PSDB que promoveram iniciativas fraudulentas de envolvê-la em ações de apoio à candidatura de José Serra.

“Não usem meu nome para o vale-tudo eleitoral”, advertiu Marina ao tomar conhecimento de um endereço de e-mail falso (marina@pv.gov.br) e de um post do blog Eu Vou de Serra 45 que manipula declarações dadas por ela durante a campanha do primeiro turno.

Roriz está inelegível pelos próximos 16 anos, com base na Ficha Limpa

Ana Maria Campos
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

Por analogia, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que Joaquim Roriz (PSC) está mesmo inelegível nestas eleições. Ao contrário do que ocorreu no julgamento do recurso do ex-governador do Distrito Federal, quando o empate no plenário sobre a aplicação da Lei da Ficha Limpa provocou um impasse, na sessão de ontem, ao discutir caso semelhante envolvendo o deputado federal Jader Barbalho (PMDB-PA), os ministros chegaram a um resultado. O placar permaneceu dividido sobre a constitucionalidade do uso da nova norma neste ano. Mas por sete votos a três, eles resolveram que, diante da falta de uma posição majoritária no STF, vale a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre o assunto.


Leia também:

STF decide manter decisão do TSE e valida Ficha Limpa para este ano

FELIPE SELIGMAN
DE BRASÍLIA
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

Em sessão tensa e novamente dividida, o Supremo decidiu, por 7 a 3, manter a decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que barrou a candidatura de Jader Barbalho (PMDB-PA) ao Senado, quando considerou a Lei da Ficha Limpa constitucional e válida para este ano.

Nesta quarta, os ministros novamente empataram em 5 a 5 sobre mérito da discussão, mas coube ao ministro Celso de Mello resolver o impasse. Ele havia votado contra a validade da Ficha Limpa, acompanhando os votos de José Antonio Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Cezar Peluso.

A favor da lei estavam os colegas Joaquim Barbosa, Cármen Lúcia, Carlos Ayres Britto, Ricardo Lewandowski e Ellen Gracie. Quando os ministros começaram a discutir como solucionar o caso, Mello pediu a palavra e sugeriu manter a decisão do TSE, por conta do impasse.

Ministério Público abre inquérito para investigar licitação do metrô

DE SÃO PAULO
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para investigar a licitação dos lotes de 3 a 8 da linha 5 (Lilás) do metrô após reportagem da Folha, assinada por Ricardo Feltrin, informar que o jornal soube seis meses antes da divulgação do resultado e quais seriam os vencedores.

O inquérito, feito a pedido do governo de São Paulo, ficará sob responsabilidade do promotor Luiz Fernando Rodrigues Pinto Junior.

Samba da Bolinha de Papel

Genéricos e outros mistérios

(texto publicado no site Participabr.com.br)

*Considero eminentemente pífia a atuação de Serra no Ministério da Saúde; seus genéricos pouco têm a ver com aqueles que planejamos

Como consequência da Guerra das Malvinas, quando a Argentina, por ter abdicado da produção própria de fármacos, ficou desabastecida de medicamentos, o governo militar brasileiro aprovou um programa, por mim proposto, de desenvolvimento dos princípios ativos (fármacos) dos 350 remédios constituintes da farmácia básica nacional.

Estimava-se que, em dez anos, seria possível desenvolver, por engenharia reversa, pelo menos 90% desses produtos.

De fato, em pouco mais de três anos, cerca de 80 processos já haviam sido desenvolvidos e 20 produtos já estavam sendo produzidos e comercializados por empresas brasileiras.

O sucesso inicial desse projeto permitiu que fosse iniciada por mim, nesta Folha, uma campanha de esclarecimento sobre medicamentos genéricos, o que não teria sentido sem a produção própria de fármacos.

Precipitadamente, o governo Itamar Franco tentou lançar a produção de genéricos. O poderoso cartel de multinacionais de medicamentos se insurgiu. Ameaçou-nos de desabastecimento, de verdadeira guerra.

Derrotou e humilhou o Ministério da Saúde. Poucos anos depois, esse cartel não somente cedeu prazerosamente ao ministro José Serra, então na pasta da Saúde, como até fez dele seu "homem do ano".

Seria o costumeiro charme do ministro? Seu sorriso cândido? Senão, qual o mistério?

Como consequência da isenção de impostos de importação para o setor de química fina, da infame lei de patentes e de outras obscenidades perpetradas pela administração FHC, mais de mil unidades de produção no setor de química fina, dentre as quais cerca de 250 relativas a fármacos, foram extintas.

Além do mais, cerca de 400 novos projetos foram interrompidos. Os dados foram extraídos de boletim da Associação Brasileira de Indústria da Química Fina.

Em poucos anos, o deficit da balança de pagamentos para o setor saltou de US$ 400 milhões para US$ 7 bilhões.

Quem acha que, com isso, Serra não merece o título de homem do ano das multinacionais de medicamentos?

Também os "empresários" brasileiros do setor de genéricos têm muito a agradecer ao ex-ministro da Saúde, pelas suas margens de lucro leoninas.

Basta ver os imensos descontos oferecidos por quase todas as farmácias, que com frequência chegam a 50%.

Os genéricos do Serra nada têm a ver com os genéricos que planejamos. E o tão aclamado programa de Aids do Serra?

É compreensível que todos os seres humanos, e talvez também o ministro Serra, tenham se comovido profundamente com a súbita e aterrorizante explosão da Aids.

Que oportunidade sem par para políticos demagógicos! A ONU homenageou o então ministro Serra pelo mais completo e dispendioso programa de apoio aos doentes de Aids de todo o planeta.

Países ricos, com PIB per capita dez vezes maiores que o nosso, ficavam muito aquém do Brasil. Como foi possível?

E por que será que, nesse mesmo período, os recursos orçamentários destinados ao saneamento básico não foram usados?

O então dispendioso tratamento de um único doente de Aids correspondia à supressão de recursos para saneamento básico que salvariam centenas de crianças de doenças endêmicas, com base em uma avaliação preliminar.

Será que Serra desviou recursos do saneamento básico? Mistério! Mas persiste o fato de que, durante a administração Serra na Saúde, os recursos destinados ao saneamento, à época atribuídos a esse ministério, não foram aplicados.

Mesmo sem contar mistérios como aqueles dos "sanguessugas" e da supressão do combate à dengue no Rio, entre outros, considero pífia, eminentemente pífia, a atuação de Serra no Ministério da Saúde. (Fonte: Folha de S. Paulo).

*ROGÉRIO CEZAR DE CERQUEIRA LEITE, 79, físico, é professor emérito da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), presidente do Conselho de Administração da ABTLuS (Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron) e membro do Conselho Editorial da Folha.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Agnelo responde acusações de Weslian Roriz

O candidato a governador do Distrito Federal (DF) Agnelo Queiroz (PT-DF) compareceu, nesta quarta-feira, 27 de outubro, ao debate promovido pelo SBT e respondeu as acusações feitas nos programas de TV de sua adversária Weslian Roriz (PSC-DF). De acordo com o petista, as acusações de sua oponente são “falsas, mentirosas e covardes”.

Desde o dia 22 de outubro, a candidata da coligação Esperança Renovada usa seus programas de televisão, quase exclusivamente, para acusar o candidato da coligação Um Novo Caminho de desviar dinheiro público do programa Segundo Tempo do Ministério do Esporte. As acusações, requentadas e já publicadas na imprensa, são feitas por meio de depoimentos de pessoas envolvidas na Operação Shaolin da Polícia Civil.

Agnelo disse que Weslian não tem coragem de fazer as acusações olhando nos seus olhos. A candidata da coligação Esperança Renovada, segundo o petista, usa “criminosos como porta-vozes”.

Substituta do marido Joaquim Roriz (PSC-DF), candidato impugnado pela lei da ficha limpa, Weslian, até agora, não compareceu a nenhum debate do segundo turno das eleições para governador do DF. O candidato da coligação Um Novo Caminho criticou esse comportamento e chamou de “laranja” a candidatura de sua concorrente.

Antes de Agnelo começar a falar, o jornalista Álvaro Pereira explicou que estavam previstas nas regras, previamente aprovadas, pelos representantes das coligações, a transformação do debate em entrevista, caso um dos candidatos se ausentasse. De acordo com o moderador do encontro, as regras foram entregues ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF).

Além de questões referentes à ausência de Weslian e sobre as acusações mostradas nos programas de TV da candidata da coligação Esperança Renovada, o jornalista também fez perguntas a respeito das propostas eleitoreiras, apresentadas tanto por Weslian, quando por Agnelo. Foram feitas ainda perguntas que tratam da saúde, do transporte e da segurança pública. Agnelo respondeu aquilo que tem dito no seu programa de televisão e nos demais debates.

Leia também:

CNT/Sensus: Dilma tem 58,6% e Serra 41,4% dos votos válidos

Claudia Andrade
Direto de Brasília
(texto publicado site Terra)

Pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta quarta-feira (27) mostra a candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff, com 58,6% dos votos válidos contra 41,4% do tucano José Serra.

O levantamento mostra aumento da vantagem da petista em mais de 10 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, realizada nos dias 18 e 19 deste mês. Antes, Dilma tinha 52,8% dos votos válidos contra 47,2% de Serra: vantagem de 5,6 pontos percentuais. Agora, a diferença entre os dois chega a 17,2 pontos percentuais.

CLDF não divulga gastos de distritais há seis meses

Especialistas alertam que propostas de Weslian podem não sair do papel

Juliana Boechat
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

As costumeiras propostas de Joaquim Roriz relacionadas à regularização de setores habitacionais e à distribuição de lotes nas regiões carentes do Distrito Federal se tornaram insuficientes na reta final da corrida pelos votos. Com Weslian Roriz (PSC) em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, a equipe da candidata ao Palácio do Buriti tirou uma carta da manga a 12 dias do segundo turno: lançou nos programas de televisão e nas carreatas pelas regiões administrativas promessas que fazem brilhar os olhos da população. Caso seja eleita, Weslian pretende isentar do pagamento do IPTU e do IPVA de uma parcela dos brasilienses, além de anistiar multas registradas até 30 de setembro deste ano e duplicar o Bolsa Família. Mas especialistas consideram eleitoreira essa lista de bondades e alertam que muitas delas, caso a candidata seja eleita, não podem sair do papel antes de passar pelo crivo da Câmara Legislativa.

MPE pede ao TREDF retirada de toda propaganda das ruas na madrugada anterior às eleições

(texto publicado no site do TRE-DF)

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TREDF) recebeu hoje (26.10) pedido do Ministério Público Eleitoral (MPE) para os candidatos Agnelo Queiroz e Weslian Roriz, e suas respectivas Coligações, Novo Caminho e Esperança Renovada, retirem, entre as 22h do dia 30 de outubro e as 6h do dia 31, toda e qualquer propaganda móvel realizada em via pública. O pedido engloba propaganda em todo o Distrito Federal.

Outro pedido feito ao TREDF, na Representação ajuizada nesta tarde, diz respeito ao lançamento de “santinhos”, panfletos e folders com propaganda, de plástico ou papel, pelas ruas da Capital, “especialmente na noite/madrugada que antecede o segundo turno do pleito”, reforça a Representação do MPE.

Na Representação, há pedido para que, em caso de descumprimento das liminares, haja multa no valor de R$ 100 mil, para cada uma das liminares descumpridas.

Pesquisa do PSDB: vantagem de Dilma? ‘5,9 pontos’

(texto publicado no Blog do Josias de Souza)

Incomodado com as pesquisas que sorriem mais para Dilma Rousseff, o PSDB decidiu divulgar sua própria sondagem eleitoral.

Foi feita pelo instituto GPP. Atribui a Dilma Rousseff 46,4% das intenções de voto, contra 40,5% de Serra. Diferença de 5,9 pontos.

Nas aferições de outros institutos, a dianteira de Dilma é maior. No último Datafolha: 12 pontos.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Datafolha revela fracasso das estratégias de Weslian Roriz

O resultado da pesquisa Datafolha, divulgado nesta terça-feira, 26 de outubro, revela o fracasso das estratégias da candidata a governadora Weslian Roriz (PSC-DF): faltar aos debates e usar seus programas de televisão quase exclusivamente para atacar seu adversário Agnelo Queiroz (PT-DF).

Realizado nesta terça-feira com 1 mil e 112 eleitores, o estudo encomendado pelo jornal Folha de S. Paulo e pela Rede Globo mostra que Weslian caiu um ponto, enquanto Agnelo subiu dois. O petista tem 55% das intenções de voto. A mulher do ex-governador Joaquim Roriz (PSC-DF), candidato impugnado pela lei da ficha limpa, tem 30%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número 40068/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral com o número 37405/2010.

A candidata da coligação Esperança Renovada participou somente de dois debates na televisão. Num deles, ela afirmou: “eu quero defender toda aquela corrupção”. A frase virou motivo de chacota e se transformou, até, em música que é sucesso no You Tube – já tem mais de 468 mil exibições (clique aqui e veja o vídeo).

Desde o dia 14 de outubro, quando aconteceria o primeiro debate do segundo turno, Weslian não compareceu a nenhum dos encontros agendados com o candidato da coligação Um Novo Caminho. A ausência da esposa de Roriz, contudo, transformou em entrevista os debates promovidos pelas TVs Band e Record, pela rádio CBN Brasília e pelo Jornal de Brasília. Os eleitores puderam conferir somente as propostas de Agnelo Queiroz.

Mas ainda há dois debates. Um no SBT, marcado para esta quarta-feira, 27 de outubro. Outro na TV Globo Brasília, que está agendado para esta quinta-feira, 28 de outubro.

Como se não bastasse a ausência de Weslian nos debates, desde o dia 22 de outubro, quase todos os programas de TV da candidata não são usados para a apresentação do seu plano de governo – que, a propósito, ela diz desconhecer.

Os programas de televisão da candidata estão sendo usados para atacar o seu adversário com notícias requentadas e já divulgadas na imprensa.

Vantagem de Agnelo sobre Weslian cresce e vai a 25 pontos, diz Datafolha

DE SÃO PAULO
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

Pesquisa Datafolha realizada hoje com 1.112 eleitores mostra que a vantagem de Agnelo Queiroz (PT) sobre Weslian Roriz (PSC) oscilou positivamente de 23 para 25 pontos percentuais.

O candidato petista agora tem 55% das intenções de voto, contra 30% de sua adversária. Com relação ao último levantamento do instituto, realizado entre os dias 20 e 21, Agnelo oscilou um ponto para cima, enquanto Weslian, um para baixo (o placar era de 54% a 31%).

Com 83%, aprovação ao governo Lula bate recorde histórico, mostra Datafolha

DE SÃO PAULO
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

Maior cabo eleitoral da presidenciável Dilma Rousseff (PT), o presidente Lula também está se beneficiando do período eleitoral.

Pela terceira semana consecutiva, a avaliação de seu governo obteve um patamar recorde de aprovação na série histórica do Datafolha na pesquisa realizada e divulgada hoje pelo instituto.

No levantamento atual, 83% dos eleitores brasileiros avaliaram sua administração como ótima ou boa.

Exposição de Serra em 'cinturão tucano' é ineficiente, e Dilma mantém 12 pontos de vantagem

ALEC DUARTE
EDITOR-ADJUNTO DE PODER
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

A candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, manteve 12 pontos percentuais de vantagem sobre seu adversário no segundo turno das eleições, o tucano José Serra, segundo pesquisa realizada e divulgada hoje pelo Datafolha. Ela aparece com 56%, contra 44% do tucano. O resultado, em votos válidos, é idêntico ao registrado no último levantamento do instituto, realizado no dia 21.

No total de intenções de voto houve leve oscilação: Dilma tem 49% contra 38% de Serra (na semana passada, a petista estava à frente com 50% a 40%).

A carta de Amaury Jr

(documentos publicados no Blog do Luiz Nassif)





Clique aqui e acesse mais documentos

Jornal Nacional omite informação importante sobre privatização tucana


Comentário deste Blog: esta nota seca veiculada nessa segunda-feira, 25 de outubro, no Jornal Nacional omitiu uma informação muito importante. A nota não fala nada sobre a carta do jornalista que revela o primeiro indício de que existiria pagamento de propina nas privatizações das empresas estatais (clique aqui e assista à matéria do Jornal da Record).

Se o telejornal não estivesse do lado de José Serra (PSDB), em vez de fazer apenas uma nota seca, o Jornal Nacional teria feito igual Jornal da Record. Ele teria veiculado uma matéria e, não, somente uma nota tendenciosa que tem por objetivo desqualificar as denúncias do jornalista contra o candidato tucano.

A TV Globo, emissora que transmite o Jornal Nacional, opera graças a uma concessão pública. É por essa razão que a sociedade tem que cobrar qualidade na informação divulgada por ela.

O primeiro indício de propina nas privatizações tucanas

Resultado de licitação do metrô de São Paulo já era conhecido seis meses antes

RICARDO FELTRIN
DE SÃO PAULO
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

A Folha soube seis meses antes da divulgação do resultado quem seriam os vencedores da licitação para concorrência dos lotes de 3 a 8 da linha 5 (Lilás) do metrô.

O resultado só foi divulgado na última quinta-feira, mas o jornal já havia registrado o nome dos ganhadores em vídeo e em cartório nos dias 20 e 23 de abril deste ano, respectivamente.

A licitação foi aberta em outubro de 2008, quando o governador de São Paulo era José Serra (PSDB) --ele deixou o cargo no início de abril deste ano para disputar a Presidência da República. Em seu lugar ficou seu vice, o tucano Alberto Goldman.

O resultado da licitação foi conhecido previamente pela Folha apesar de o Metrô ter suspendido o processo em abril e mandado todas as empresas refazerem suas propostas. A suspensão do processo licitatório ocorreu três dias depois do registro dos vencedores em cartório.

Folha só fala de roubo no Metro-SP após debate

(texto publicado no Tijolaço.com)

A Folha de S. Paulo deu uma “força” para José Serra, ao esperar o fim do debate de ontem, na Record, para divulgar algo que sabe desde quinta-feira: a fraude na licitação das obras de seis lotes da Linha Lilás do Metrô de São Paulo.

Desde o dia 21, quinta-feira, jornal teve a confirmação de que os vencedores dos lotes milionários foram exatamente aqueles cujos nomes eram sabidos há seis meses. Em 23 de abril, a reportagem do jornal registroua relação dos vencedores no 2º Cartório de Notas, em SP.

A obra, que prevê a contrução de 20 km de trilhos a um custo superior a R$ 4 bilhões pode, portanto, ter sido fonte de acertos prévios, capazes de “dar uma forcinha” aos gastos de campanha do governador que fez a licitação, José Chirico Serra.

Depois de criticar governo Serra e Kassab, Pastor diz que vai votar no tucano

Serra diz que Dilma apresentou plano de governo 'eleitoral'

Tucano critica documento apresentado pela adversária do PT, mesmo sem ter formalizado a divulgação do próprio plano

Nara Alves, iG São Paulo

Mesmo sem ter apresentado o seu próprio plano de governo, o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, criticou o plano divulgado hoje [ontem] pela presidenciável Dilma Rousseff (PT). Após reunião com representantes da Sociedade Brasileira para o progresso da Ciência (SBPC), na capital paulista, o tucano afirmou que o programa petista é “sem dúvida nenhuma um instrumento de promoção eleitoral”.

Dilma cobra investigação sobre braço direito de tucano

Quem fala o que quer, ouve o que não quer

“O Paulo Vieira não é só braço direito de Serra. É o braço direito, o esquerdo e, se brincar, é a cabeça também”, Dilma Rousseff no penúltimo debate televisivo do segundo turno da eleição presidencial

O candidato a presidente do Brasil José Serra (PSDB) foi o primeiro a citar assunto espinhoso no penúltimo debate televisivo do segundo turno da eleição presidencial. Realizado com aproximadamente 15 minutos de atraso na noite dessa segunda-feira, 25 de outubro, o debate foi transmitido pela rede Record de televisão.

Ao dar a réplica para uma questão sobre banda larga, Serra, que aparece, em todas as pesquisas, atrás da candidata a presidente Dilma Rousseff (PT), lembrou que o braço direito da petista, a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra, tinha ido à Polícia Federal prestar depoimento sobre as notícias de corrupção envolvendo seu nome e o nome de seu filho, Israel Guerra.

“Erenice foi à Polícia Federal porque investigamos”, Dilma iniciou sua resposta que deixou José Serra acuado. A candidata do PT cobrou do tucano investigação no caso Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto. Responsável por executar as maiores obras rodoviárias do governo do estado de São Paulo – dentre elas o Rodoanel –, a Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A) era chefiada até pouco tempo por Paulo Vieira.

Dilma lembrou o caso que ocorreu na época que Serra governava São Paulo, em 13 de novembro de 2009, quando três vigas pré-moldadas de 85 toneladas despencaram da obra dos viadutos que cortam a rodovia Régis Bittencourt. De acordo com a petista, o acidente teria acontecido porque Paulo Preto, que é citado na operação Castelo de Areia da Polícia Federal, teria feito mudanças no contrato da execução da obra. A esta informação, a presidenciável casou uma declaração de Paulo Vieira. O engenheiro teria afirmado numa entrevista ser a pessoa que mais viabilizou recursos para a campanha presidencial de José Serra.

“O Paulo Vieira não é só braço direito de Serra. É o braço direito, o esquerdo e, se brincar, é a cabeça também”, afirmou Dilma.

Para evitar confrontos com rorizistas, Agnelo cancela ida a comício

Luísa Medeiros
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

A coordenação de campanha do candidato do PT, Agnelo Queiroz, cancelou a participação dele no comício na Área Especial 4 do Riacho Fundo I nesta noite.

A identificação de uma susposta tentativa de ataque contra o petista motivou o cancelamento da atividade de Agnelo ao local. Segundo a assessoria de comunicação do político, a equipe de inteligência policial que trabalha na campanha de Agnelo averigou que militantes rorizistas estavam planejando atacar o concorrente.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Vox Populi: Dilma tem 49%, Serra 38%, indecisos 7%

Candidata do PT ao Palácio do Planalto recuou dois pontos, enquanto tucano oscilou um ponto para baixo; indecisos antes eram 4%

Matheus Pichonelli, iG São Paulo

Pesquisa Vox Populi/iG publicada nesta segunda-feira mostra que, a menos de uma semana das eleições, a candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, mantém a dianteira sobre o tucano José Serra na corrida presidencial. A ex-ministra da Casa Civil oscilou dois pontos para baixo em relação ao levantamento realizado pelo instituto entre os dias 15 e 17 de outubro e agora conta com 49% das intenções de voto. Com isso, ela tem uma vantagem de 11 pontos sobre Serra, que oscilou um ponto para baixo e aparece com 38%.

O número de eleitores que pretendem votar nulo ou em branco ainda é de 6% - mesmo índice contabilizado na última pesquisa. O Vox Populi apontou, no entanto, aumento do número de eleitores indecisos ou que não responderam ao questionário: de 4% para 7%.

Dilma Rousseff lança documento com 13 diretrizes de governo

Expansão do emprego e defesa do meio ambiente estão entre temas. Petista disse que pontos 'são gerais' e têm o 'sentido de dar diretrizes'.

Mariana Oliveira Do G1, em São Paulo

A candidata do PT à Presiência da República, Dilma Rousseff, apresentou nesta segunda-feira (25) um documento com 13 “compromissos programáticos”, que chamou de diretrizes de governo. Dilma disse que o documento é fruto de "consenso" entre as legendas que apoiam sua candidatura.


Pontos do documento 'Os 13 compromissos programáticos de Dilma Rousseff para debate na sociedade brasileira'

1. Expandir e fortalecer a democracia política, econômica e socialmente.

2. Crescer mais, com expansão do emprego e da renda, com equilíbrio macroeconômico, sem vulnerabilidade externa e desigualdades regionais.

3. Dar seguimento a um projeto nacional de desenvolvimento que assegure grande e sustentável transformação produtiva do Brasil.

4. Defender o meio ambiente e garantir um desenvolvimento sustentável.

5. Erradicar a pobreza absoluta e prosseguir reduzindo as desigualdades. Promover a igualdade, com garantia de futuro para os setores discriminados na sociedade.

6. O Governo Dilma será de todos os brasileiros e brasileiras e dará atenção especial aos trabalhadores.

7. Garantir educação para a igualdade social, a cidadania e o desenvolvimento.

8. Transformar o Brasil em potência científica e tecnológica.

9. Universalizar a saúde e garantir a qualidade do atendimento do SUS.

10. Prover as cidades de habitação, saneamento, transporte e vida digna e segura para os brasileiros.

11. Valorizar a cultura nacional, dialogar com outras culturas, democratizar os bens culturais e favorecer a democratização da comunicação.

12.Garantir a segurança dos cidadãos e combater o crime organizado.

13. Defender a soberania nacional. Por uma presença ativa e altiva do Brasil no mundo.

O famoso político do BraZil

A fila anda

(texto publicado no Blog do Dirsomar)

Deu no Correio Braziliense de domingo, 24 de outubro:

Cinco distritais do PT se elegeram. Mas pelo menos meia dúzia de petistas pode assumir na Câmara nos primeiros dias da próxima legislatura. Se Agnelo ganhar as eleições, Chico Leite é um dos prováveis deputados que deve ir para o Executivo. A Secretaria da Transparência, promessa de Agnelo, é uma possibilidade. Membro do Ministério Público do DF, ele jura que é o autor da ideia de criação da pasta, responsável pelo controle interno. Com a licença de um petista, a primeira suplente, Rejane Pitanga (PT), presidente da CUT, assume mandato na Câmara Legislativa.

Comentário meu: depois da companheira Rejane Pitanga, serei o próximo suplente a assumir um mandato na Câmara Legislativa. Assim, poderei por em prática as minhas propostas e honrar os votos que me fizeram o mais bem votado candidato da esquerda que representa a habitação.

Mas, para isso, precisamos eleger Agnelo Queiroz governador do DF. E para Agnelo governar melhor ainda, com a ajuda do governo federal, temos que fazer a companheira Dilma Rousseff a primeira mulher presidente do Brasil.

Dia 31, vote 13. Agnelo governador e Dilma presidente.

Eleitores escolherão primeiro o candidato a governador

(texto publicado no site do TSE)

No próximo domingo (31), 135.804.433 brasileiros devem voltar às urnas para escolher, em segundo turno, o presidente da República. Além do presidente, os votantes do Distrito Federal e de mais oito estados - Alagoas, Amapá, Goiás, Pará, Paraíba, Piauí, Rondônia e Roraima vão escolher também o novo governador. Na votação nesses locais, que envolve 19.476.363 votantes, os eleitores escolhem primeiro o candidato a governador e, depois, o candidato a presidente da República.

Desembargador Federal determina suspensão de propaganda da Esperança Renovada

(texto publicado no site do TRE-DF)

O Desembargador Federal Moreira Alves determinou a suspensão de propaganda eleitoral veiculado no espaço destinado à Coligação Esperança Renovada, que consiste em depoimento gravado por Michael Alexandre Vieira da Silva, sobre repasses de verbas referentes ao “Programa Segundo Tempo”, do Ministério dos Esportes.

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TREDF) recebeu no início desta tarde (23.10) a Representação, com pedido de direito de resposta, ajuizado pela Coligação Novo Caminho em face da Esperança Renovada.

TRE-DF determina a apreensão de edição do jornal DF Notícias

(texto publicado no site do TRE-DF)

Por determinação do Corregedor e Vice-Presidente do Tribunal Regional Eleitoral, Desembargador Mario Machado, serão apreendidos todos os exemplares da edição 726 do jornal DF Notícias.

A determinação foi tomada nos autos da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) ajuizada por Agnelo Queiroz na última sexta-feira (22.10). Ao determinar o recolhimento do DF Notícias, o Corregedor manifestou-se:

“Na linha de convencimento suficiente ao exame do pedido liminar, tenho como caracterizados, no jornal ‘DF NOTÍCIAS’, edição nº 726, ano 19, de 21 de outubro de 2010, nítidos abusos e excessos, potencialmente desfavoráveis ao representante, candidato a governador, AGNELO QUEIROZ, ao candidato a vice-governador TADEU FILIPPELLI e ao PARTIDO DOS TRABALHADORES - PT. Presente, destarte, a relevância do fundamento aduzido para a concessão parcial da liminar. Por outro lado, óbvio o perigo na demora, pois se avizinha o segundo turno das eleições para o governo do Distrito Federal. Defiro, portanto, em parte, a liminar requerida e determino a apreensão de todos os exemplares do jornal "DF NOTÍCIAS", edição nº 726, ano 19, de 21 de outubro de 2010.

sábado, 23 de outubro de 2010

Segurança do casal Roriz será reforçada

(texto publicado no site da Weslian Roriz)

AVISO – Depois de mostrar na TV testemunha contra Agnelo, Roriz diz que foi avisado que pode ser alvo de atentado

A candidata a governadora Weslian Roriz (PSC 20) e o marido dela, o ex-governador Joaquim Roriz, acreditam que estão correndo risco de morte depois que o programa da Coligação Esperança Renovada divulgou depoimento de uma testemunha denunciando o esquema de desvio de dinheiro do Ministério do Esporte quando o candidato petista Agnelo Queiroz era ministro. Por isso, a Coligação Esperança Renovada vai reforçar a segurança do casal, especialmente em compromissos públicos, quando evitarão circular em carros abertos.

Resposta ao programa de TV de Weslian Roriz

Justiça Eleitoral do DF investiga uso da máquina para beneficiar Weslian

GABRIELA GUERREIRO
DE BRASÍLIA
(texto publicado na Folha de S. Paulo)

A Justiça Eleitoral investiga o uso da máquina pública no GDF (Governo do Distrito Federal) para beneficiar a candidatura de Weslian Roriz (PSC) ao governo local.

O TRE-DF (Tribunal Regional Eleitoral) encontrou indícios da distribuição de santinhos da candidata em um dos postos onde são entregues pão e leite para a população de baixa renda --no programa "Nosso Pão, Nosso Leite".

O desembargador Mário Machado, do TRE, determinou a retirada do material de campanha do local onde houve a distribuição dos santinhos. Relator da ação, ele tomou como base vídeos e fotos encaminhadas à Justiça Eleitoral pela coligação do adversário de Weslian, Agnelo Queiroz (PT).

"As referidas fotografias e o vídeo documentam a existência, no local, da propaganda denunciada, bem como a entrega de material impresso de propaganda da candidata Weslian juntamente com a distribuição gratuita do pão e leite", diz Machado.

O governador do DF, Rogério Rosso (PMDB), declarou apoio a Weslian Roriz à revelia de seu partido, que integra a coligação de Agnelo.

Além de santinhos de Weslian, também foram encontrados no local material de campanha de sua filha Jaqueline Roriz (PMN) - que foi eleita deputada federal.

O local de distribuição do pão e leite, a Chácara Menino Jesus, também teria sido decorada com imagens de Weslian, Jaqueline e Jofran Frejat (PR) --que disputa o vice-governo do DF na chapa da candidata.

Com base nas imagens, Agnelo pediu ao TRE a cassação do registro de Weslian e do diploma de Jaqueline Roriz. O tribunal investiga desvio ou abuso do poder econômico ou de autoridade em benefício de candidato ou partido político, com base na lei eleitoral.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Nem no programa de TV Weslian apresenta propostas

Como se não bastasse a ausência da candidata a governadora Weslian Roriz (PSC-DF) nos debates para aprofundar a discussão sobre o seu plano de governo – que ela diz desconhecer –, agora, nem no programa de televisão o eleitor poderá saber a respeito do projeto de Weslian para o Distrito Federal. Na noite desta sexta-feira, 22 de outubro, os 10 minutos que a candidata possui para expor suas propostas foram usados, integralmente, para atacar o candidato a governador Agnelo Queiroz (PT-DF). A coligação Esperança Renovada colocou um homem para chorar e falar, durante todo o programa, contra o candidato petista.

Para a sorte de Agnelo, o homem apareceu de forma descontextualizada, lhe acusando, sem nenhuma prova, de ter recebido dinheiro de ONGs beneficiadas pelo programa Segundo Tempo do Ministério do Esporte.

O homem que aparece no programa de TV de Weslian Roriz se chama Michael Vieira da Silva, o mesmo que, em 2008, desmentiu uma acusação feita por ele mesmo contra Agnelo.

Em 15 de setembro, o contador Miguel Santos de Souza, uma das testemunhas da Operação Shaolin, denunciou a coordenação da campanha de Joaquim Roriz (PSC-DF) de lhe ter feito uma suposta oferta de 200 mil reais para fazer o que Michael fez no programa de TV: incriminar o candidato Agnelo Queiroz (PT-DF).

Atenção: esta matéria foi alterada às 16h deste sábado, 23 de outubro de 2010. Motivo: correção do nome do homem que apareceu no programa de TV de Weslian Roriz.

Bolinhagate - Edição do Jornal Nacional

Rogério Rosso responsabiliza Roriz e Arruda pelo caos na saúde

O governador biônico do Distrito Federal (DF), Rogério Rosso (PMDB-DF), foi entrevistado nesta sexta-feira, 22 de outubro, no Bom Dia DF, telejornal matinal da TV Globo Brasília. O assunto da entrevista foi o recente caos da saúde pública que nos últimos meses piorou – assista ao vídeo abaixo:
Uma das perguntas do apresentador Fred Ferreira foi: “governador, o senhor tem cinco meses no governo. Desde abril o senhor está no GDF. Por que ainda não deu para resolver o problema da saúde pública?”.

Rogério Rosso respondeu: “pelo acumulo dos erros do passado, por um orçamento absolutamente incompatível com a realidade do Distrito Federal”.

Como se pode ver, Rogério responsabiliza os governos passados pelo problema da saúde pública. Nos últimos dez anos, os governadores eleitos do DF foram Joaquim Domingos Roriz (PSC-DF) e José Roberto Arruda (ex-DEM).

Barrado pela lei da ficha limpa, Roriz renunciou a candidatura de governador e colocou no seu lugar sua esposa, Weslian Roriz (PSC). Rogério Rosso apoia, declaradamente, a candidata Weslian Roriz.

O DEM, partido que elegeu José Roberto governador do DF, está na coligação de Weslian Roriz.

Conclusão: Rogério Rosso responsabilizou os seus próprios aliados pelo recente caos na saúde pública.