Blog do Paraíso: Outubro 2011

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Diante do jogo sujo do jornalismo brasileiro, da corrupção e da impunidade, o Blog do Paraíso dá tchau

O jornalismo tem várias definições. Uma delas diz que é a arte de conquistar mentes e corações. Conquistar mentes e corações é subjetivo, parcial e dependente. Assim é o jornalismo no Brasil, terra sem lei para os meios de comunicação. Nem sequer a Constituição é cumprida. No Brasil, só é notícia aquilo que é de interesse para o dono do jornal. Se é de interesse para o dono do jornal derrubar um ministro, suspeitas de corrupção viram notícias. Mas, se não é do interesse do dono do jornal derrubar um cartola do futebol, a apresentação de provas numa comissão do Senado não rende sequer uma linha.

Exemplos práticos acontecem quase todos os dias na imprensa brasileira. Nesta quarta-feira, 26 de outubro, o Jornal Nacional da TV Globo dedicou três minutos e 22 segundos para noticiar a saída de Orlando Silva do Ministério do Esporte, isso depois de dar ampla cobertura para as denúncias de corrupção envolvendo o nome do ministro nos últimos 11 dias.

Na mesma edição do telejornal, contudo, nada foi dito sobre a ida do repórter da rede britânica BBC, Andrew Jennings, à Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal. Um jornalista do Jornal Nacional chegou a falar ao vivo do Congresso Nacional, mas foi para noticiar a respeito da votação de um projeto que pretende criar a Comissão da Verdade, com objetivo de investigar violações de direitos humanos no Brasil. Um assunto muito importante, mas não mais importante do que a presença de Andrew Jennings no Senado.

O repórter da BBC compareceu ao parlamento brasileiro para reafirmar suas acusações contra o presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Joseph Blatter, o ex-presidente da Fifa João Havelange, e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira. De acordo com o Jornal da Record, concorrente do Jornal Nacional, Andrew acusa os cartolas de terem recebidos mais de 100 milhões em propina.

A participação de Ricardo Teixeira na organização da Copa do Mundo de 2014 é tão importante quanto seria a participação de Orlando Silva. A divulgação das notícias de corrupção fez Orlando deixar o cargo, o mesmo poderia acontecer com Ricardo, mas parece que essa não é a vontade dos donos do telejornal da Globo.

A explicação para esse interesse pode ser encontrada também em notícias divulgadas pelo telejornal da emissora concorrente da Globo, a TV Record, do Bispo Edir Macedo. De acordo com as notícias (veja os vídeos clicando aqui aqui), empresas ligadas as Organizações Globo e a própria TV Globo teriam negócios lucrativos com a participação de Ricardo Teixeira.

Este é apenas um exemplo do padrão de qualidade do jornalismo brasileiro. Exemplo que pode ser encontrado em outros meios de comunicação, como alguns jornais impressos de Brasília que não noticiaram praticamente nada referente a suspeita de envolvimento do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), no suposto esquema de corrupção no Ministério do Esporte.

Quando os veículos locais de comunicação se omitem, os brasilienses podem recorrer aos blogs e às redes sociais, ou aos meios de comunicação de expressão nacional.

Este blog tem o propósito de mostrar aquilo que não é mostrado pelos jornais locais e, até mesmo, nacionais, além de reproduzir matérias noticiadas por diferentes meios, correndo o risco de ser manipulado juntamente com toda a sociedade. É por esta e outras razões que as atualizações deste blog já foram suspensas duas vezes – uma em 2008 e outra no início deste ano de 2011.

E, agora, mais uma vez este blogueiro pede desculpa aos seus leitores e suspende as atualizações do Blog do Paraíso por tempo indeterminado, podendo retornar as atualizações a qualquer momento, com informações de interesse público.

As atualizações são suspensas para não participar do jogo sujo do jornalismo brasileiro e por causa da fadiga causada diante de tantas notícias de corrupção, seguida pela impunidade dos envolvidos e, consequentemente, pela continuidade das mesmas práticas corruptas pelos mesmos atores de sempre, travestidos por novas personalidades.

O Blog do Paraíso dá um tchau, que pode ser um adeus ou um até logo.

Andrew depõe no Senado: R$ 100 milhões pagos em suborno

TCDF determina a devolução de R$ 7,5 milhões

Empresa de tecnologia contratada pela Codeplan em 2005 também poderá ser impedida de participar de concorrências públicas

(texto publicado no site do TCDF)

O Tribunal de Contas do Distrito Federal determinou, na sessão desta terça-feira, 25 de outubro, que a Secretaria de Transparência do Distrito federal abra processo administrativo para declarar inidônea a Prodata Tecnologia e Sistemas Avançados Ltda. Isso quer dizer que a empresa poderá ser impedida de celebrar contratos com a administração pública.

Uma auditoria de regularidade realizada pelo TCDF constatou um dano de R$ 5.677.577,91 nos Contratos Emergenciais nos 22/05 e 53/05, celebrados pela Companhia de Desenvolvimento do Planalto Central (Codeplan) com a Prodata. Esse prejuízo vem do pagamento de sistemas em regime de “Fábrica de Software”, sem que houvesse qualquer documentação que comprovasse a execução dos serviços. “Apesar da completa ausência dos requisitos indicados anteriormente – ordens de serviço, requisitos referentes aos produtos demandados, documentações relativas aos trabalhos realizados e produtos que resultaram dos trabalhos – verificou-se que as horas relativas aos serviços de Fábrica de Software foram pagas mensalmente”, aponta o levantamento da 1ª Inspetoria de Controle Externo do Tribunal de Contas do DF. Atualizado, o valor hoje é de R$ 7.420.162,76.

Encontro Mundial de Blogueiros será transmitido ao vivo pela internet

(texto publicado no site do Encontro Mundial de Blogueiros)

O 1º Encontro Mundial de Blogueiros começa quinta-feira (27) e vai até sábado (29) em Foz do Iguaçu. O objetivo é debater o papel da blogosfera na democratização da comunicação, e já colocando em prática esta ação, o encontro será transmitido em tempo real pela internet através do site oficial no endereço www.blogueirosdomundo.com.br/ao-vivo.

Internautas do mundo todo que não conseguiram estar presentes no encontro poderão acompanhar a programação e interagir com os participantes através do Twitter e do Facebook. No primeiro a forma de manter contato é através da hashtag #blogmundofoz e pelo Facebook basta curtir a página oficial e se manter atualizado.

#EuVotoDistrital: Conheça e Participe

Gilberto Carvalho confirma saída de ministro do Esporte e diz que "tendência" é pasta continuar com PCdoB

Camila Campanerut
Do UOL Notícias
Em Brasília

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, confirmou na tarde desta quarta-feira (26) que o ministro do Esporte, Orlando Silva, deve mesmo deixar o comando da pasta. A decisão deve ser oficializada ainda hoje após uma reunião com a presidente Dilma Rousseff.

A "tendência", segundo Carvalho, é que o cargo fique com o PCdoB, sigla que comanda o ministério desde a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva.

"Pode até ocorrer uma situação de interinidade. É o mais provável", disse a jornalistas no Palácio do Planalto. A afirmação partiu pouco antes do início da terceira reunião com o PCdoB no Palácio do Planalto nos últimos dois dias para decidir a crise no ministério.

Orlando cai, mas a crise não acaba. Falta Agnelo deixar o GDF

A saída de Orlando Silva do Ministério do Esporte foi tarde de mais, portanto, a crise que teve início com as denúncias do policial militar João Dias pode não ter um fim imediato. Os holofotes agora podem se voltar para o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT).

Foi o próprio Orlando Silva que disse que se reuniu com João Dias a pedido de Agnelo, então ministro do Esporte. O governador nega qualquer envolvimento com o suposto esquema de corrupção, mas o auxiliar administrativo Michael Alexandre Vieira da Silva acusa Queiroz de ser o verdadeiro chefe do suposto esquema de desvio de dinheiro público do Programa Segundo Tempo.

Além das suspeitas sobre o governador do DF, outro fato que não deixará a crise acabar tão cedo é a autorização, pelo Suprimo Tribunal Federal (STF), de abertura de inquérito para investigar as denúncias de corrupção envolvendo os contratos do Ministério do Esporte.

O andamento do processo e o seu resultado no STF podem ser o combustível necessário para a imprensa continuar noticiando sobre as suspeitas de desvio de dinheiro no Ministério do Esporte.

Atualização: conforme a notícia abaixo, as investigações continuarão no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e, não, no STF, como escrevi acima.

Gurgel: inquérito sobre Orlando continuará mesmo com sua saída

(texto publicado no site Terra)

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse nesta quarta-feira que as investigações sobre a denúncia de desvio de recursos públicos no Ministério do Esporte continuarão mesmo que o ministro Orlando Silva deixe o cargo. Segundo Gurgel, a única diferença, caso ele saia, é que o caso será analisado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e não mais no Supremo Tribunal Federal (STF).

Governo vai reter verbas para ONGs por um mês

(texto publicado na Folha.com)

O governo Dilma Rousseff prepara decreto para suspender por um mês todos os repasses de recursos federais para convênios com organizações não governamentais, informa reportagem de Ana Flor e Valdo Cruz, publicada na Folha desta quarta-feira (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Nesses 30 dias os ministros terão de rever todos os atos assinados pelas pastas e ratificar os convênios em curso.

Verbas públicas beneficiam familiares de Orlando

AE - Agência Estado

Convênios assinados pelo governo federal mostram que a família do ministro Orlando Silva (Esporte) se valeu de uma rede de organizações não governamentais (ONGs) e mobilizou militantes e simpatizantes do PCdoB para facilitar o acesso aos cofres públicos. No rastro da posse de Orlando Silva no Esporte, em abril de 2006, a mulher dele, Ana Cristina Petta, também arrumou um cargo de confiança no Ministério da Cultura.

A nomeação de Ana Petta como gerente da Secretaria de Políticas Culturais foi publicada em maio de 2006. A mulher de Orlando Silva recebeu R$ 2.961,87 até junho, segundo o Portal da Transparência, que não registra outros pagamentos. Mas a passagem pelo governo federal azeitou os negócios públicos e privados e levou até a ONG Via BR, intermediária das relações com a família Orlando-Petta, a festejar. "Uma parceria de sucesso", saudou o então secretário de Esporte de Campinas (SP), Gustavo Petta, sobre o evento promovido com o Instituto Via BR no município em novembro de 2009, prestigiado pelo cunhado de Petta, Orlando Silva, ministro do Esporte. A festa foi apenas um capítulo na complexa rede de relações entre a família de Orlando Silva, o PCdoB e ONGs.

A ONG Via BR, criada pouco tempo antes por "jovens com a perspectiva socialista", seria contratada pelo Esporte menos de seis meses depois da festa da "Virada Esportiva", em Campinas. A Via BR teria 26 dias a partir da publicação do convênio no Diário Oficial para estimular a participação social na 3ª Conferência Nacional do Esporte. Pelo trabalho, recebeu R$ 272 mil.

Gustavo Petta, irmão de Ana Cristina Petta, havia sido convidado pelo ministro e cunhado a participar da organização dessa conferência. No mês seguinte à conferência que organizara, com a participação da Via BR, Gustavo Petta se lançaria candidato a deputado federal pelo PCdoB.

Marcha Nacional da CNTE em Brasília exige 10% do PIB para a Educação

Jacqueline Saraiva
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

Professores de todo o país realizam nesta quarta-feira (26/10) em Brasília uma marcha para pressionar parlamentares a defender a destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) ao setor de educação. A Marcha Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública é a quinta edição organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Jornalista inglês chega ao Brasil para revelar corrupção na Fifa

Justiça reduz de novo a área dos índios

Empresas só não podem construir em 4,18 hectares do Noroeste, onde está o Santuário dos Pajés. Delegada tenta identificar apoiadores dos indígenas, sem sucesso

Sabrina Fiuza_Brasília247 – A desembargadora Selene Maria de Almeida, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, revogou a decisão da juíza federal Clara da Mota Santos, que havia mandado suspender as obras em uma área de 50 hectares reivindicada pelos índios no Setor Noroeste. Para a desembargadora, a área indígena é de 4,18 hectares, que devem ser resguardados e protegidos pela polícia, se necessário. Nesta manhã, cerca de 20 pessoas que defendem os índios Tapuyas fizeram vigília na entrada das áreas das construtoras Brasal e Emplavi, para impedir que empresas retomem as obras.

Mas, de acordo com o gerente de relacionamento da Brasal, Lincoln Medeiros, os engenheiros estão no local apenas observando o cenário. Por enquanto, não há previsão para o início das obras. "A Brasal quer segurança e apoio da polícia para retomar a construção, pois a empresa não tem interesse em conflito", explicou.

STF abre inquérito para investigar supostas irregularidades no Ministério do Esporte

Agnelo almoça com base aliada

Governador recebeu durante almoço presidentes dos 13 partidos que compõem a base aliada. Comemoraram a abertura da Copa das Confederações em Brasília e reafirmaram aliança de governo

(texto publicado na Agência Brasília)

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, se reuniu hoje [25/10], durante almoço na Residência Oficial de Águas Claras, com o Conselho Executivo de Governo. O grupo é formado pelos presidentes dos 13 partidos que compõem a base do governo. Na reunião, o governador detalhou ao grupo o anúncio da Federação Internacional de Futebol (FIFA) que contempla Brasília com a abertura da Copa das Confederações, em 2013, e com a realização de sete jogos da Copa do Mundo, em 2014.

Deputados aprovam, por consenso, seis projetos do GDF

(texto publicado no site da CLDF)

Em sessão extraordinária realizada nesta terça-feira (25), logo após a sessão ordinária, os deputados distritais aprovaram seis projetos de lei do GDF, que foram negociados entre deputados governistas e da oposição e receberam o voto unânime dos parlamentares. Entre eles, por exemplo, está o projeto de lei 510/2011, que chegou a ser amplamente debatido em Plenário em sessões anteriores, por autorizar a cessão à Caixa Econômica de terreno do GDF, no Recanto das Emas, para instalação de uma agência daquele banco.

Câmara aprova 30 projetos de parlamentares

(texto publicado no site da CLDF)

Em uma sessão sem pronunciamentos na tribuna, os deputados distritais aprovaram nesta terça-feira (25) 30 projetos de lei de autoria dos próprios parlamentares, em redação final. O acordo negociado entre eles garantiu a aprovação tranquila, por unanimidade, de muitas outras proposições que constavam da Ordem do Dia como requerimentos, projetos de decreto legislativo e moções.

O primeiro projeto aprovado, em votação simbólica, foi o PL 249/2011, do deputado Patrício (PT), que institui a Semana Distrital da Educação Infantil, que recebeu duas emendas de Plenário. Segundo a proposta, aquela Semana incluirá sempre o dia 25 de agosto.

Entre os projetos aprovados há muitas proposições que beneficiam deficientes físicos, consumidores e as chamadas minorias. Por iniciativa do deputado Aylton Gomes (PR), foi aprovado, por exemplo, o projeto de lei 825/2008, que garante normas de proteção e segurança dos consumidores em estacionamentos públicos.

A criação do Procon eletrônico, uma proposta do deputado Benício Tavares (PMDB), foi confirmada com a aprovação, em redação final, do projeto de lei 308/2007. Já o deputado Chico Leite (PT) conseguiu a aprovação, por consenso, do projeto de lei 1.419/2009, que assegura a gestantes, idosos, mães com crianças de colo e pessoas com obesidade mórbida atendimento preferencial em estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços.

De acordo com o que prevê o projeto de lei 168/2011, de iniciativa da deputada Rejane Pitanga (PT), os travestis e transexuais conquistam o direito de serem chamados pelo seu nome social em órgãos públicos do DF. A proposição foi aprovada em redação final.

Você viu? Tem provas? Tirou foto? Filmou? Cadê? Mostra aí!

Testemunhas, documentos e áudios. O que mais precisa ser divulgado para comprovar a existência de um esquema de corrupção no Ministro do Esporte?

Só se for um vídeo onde apareça Orlando Silva (PCdoB) recebendo maços de dinheiro, assim como foi flagrado o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (ex-DEM).

O policial militar João Dias não tem uma prova que conste a voz do ministro, conforme declarou à imprensa nessa segunda-feira. Ainda assim, 10 dias após a publicação de reportagem na revista Veja com a denúncia de João Dias, não param de ser publicados pelos jornais, revistas, rádios e TVs indícios que confirmariam a existência de um suposto esquema de corrupção no Ministério do Esporte.

E a tendência é só aumentar a divulgação de notícias sobre o caso. Nesta quarta-feira, 26 de outubro, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados ouvirá o policial militar João Dias.

Além das prováveis provas apresentadas por João Dias, o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria Geral da União (CGU) também apontam graves problemas em contratos do Ministério do Esporte, firmados com as Organizações Não Governamentais (ONGs).

Só no ano passado, segundo o TCU, o Ministério do Esporte deixou de analisar 1 mil e 493 prestações de contas de uso de recursos federais em convênios, avaliados em R$ 801 milhões. De um total de 160 convênios, em 2009, o Tribunal encontrou “fragilidades” em 55 deles. Os outros 105 não foram sequer vistoriados.

Relatórios da CGU revelam que, entre 2002 e junho de 2011, há irregularidades em 67 convênios. Por falhas na prestação de contas e por não executar os serviços, as ONGs teriam que devolver para os cofres públicos, segundo a Controladoria, mais de 50 milhões de reais.

Quanto mais tempo o ministro resiste ao bombardeio das notícias, pior para a imagem dele e de seu partido, o PCdoB. Pior ainda para o governo, para a presidenta Dilma Rousseff e para o PT – o que inclui na lista o governado do Distrito Federal, Agnelo Queiroz.

Congresso pressiona CBF sobre denúncias de corrupção

Comissões da Câmara e do Senado vão investigar acusações de lavagem de dinheiro contra o presidente da entidade, Ricardo Teixeira

Fred Raposo, iG Brasília

O Congresso Nacional vai investigar acusações de irregularidade apresentadas contra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que podem afetar até a organização da Copa do Mundo de 2014. Pelo menos duas comissões – uma do Senado e outra da Câmara – analisarão, entre outros pontos, denúncias de lavagem de dinheiro, contratos irregulares e suposto pagamento de propina que teria beneficiado o presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

O caso será tema de audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado, na quarta-feira, às 10h. Os parlamentares vão ouvir o jornalista Andrew Jennings, da BBC de Londres, autor do livro “Jogo Sujo – O Mundo Secreto da Fifa” e de reportagens na televisão inglesa que acusam Teixeira de corrupção.

Ministro ajudou ONG sob suspeita em novo contrato

(texto publicado na Folha.com)

O ministro do Esporte, Orlando Silva, autorizou de próprio punho uma medida que beneficiou uma organização não governamental do policial militar que hoje o acusa de comandar um esquema de desvio de dinheiro público, informa reportagem de Filipe Coutinho e Fernando Mello, publicada na Folha desta terça-feira (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Em julho de 2006, Orlando assinou um despacho que reduziu o valor que a ONG de João Dias Ferreira precisava gastar como contrapartida para receber verbas do governo, permitindo que o policial continuasse participando de um programa do ministério.

A medida foi autorizada mesmo depois de auditorias internas terem apontado os primeiros indícios de fraude nos negócios do policial com o ministério, num período em que ele ainda mantinha relação amistosa com o governo.

Obra de centro esportivo, paralisada em 2007, recebeu R$ 1,37 mi da União

Convênio entre o Ministério do Esporte e a Prefeitura de Campos do Jordão foi assinado em 2006 pelo ministro Orlando Silva

Gerson Monteiro/Especial para o Estado

Projetado para fornecer infraestrutura ao esporte brasileiro em modalidades olímpicas e paraolímpicas, o Centro de Treinamento de Esportes de Alto Rendimento de Campos do Jordão, a 175 km de São Paulo, está longe de ficar pronto para servir de apoio na preparação de atletas para os jogos de 2016. Apenas três pessoas trabalham na obra que deveria ter sido entregue no fim de 2007, de acordo com nota do próprio Ministério do Esporte divulgada em 2006, e já recebeu o R$ 1,37 milhão previsto.

Policial diz que pelo menos 20 ONGs aceitam delatar esquema no Esporte

João Dias afirmou que nenhuma gravação dos áudios que entregou à PF contém a voz do ministro, mas que seria impossível ele não conhecer o esquema

Vannildo Mendes, de O Estado de S.Paulo

Em novo depoimento, que durou mais de quatro horas, o policial militar João Dias informou ontem à Polícia Federal que pelo menos vinte Organizações Não Governamentais (ONGs) estão dispostas a delatar o esquema de arrecadação de propina que o PC do B teria montado no Ministério do Esporte, junto a entidades conveniadas com o programa Segundo Tempo. Os representantes das entidades, segundo ele, vão depor nos próximos dias.

Como havia prometido no primeiro depoimento, semana passada, Dias entregou documentos, 13 áudios, um celular e mídias que, a seu ver, comprovam os desvios de recursos públicos da pasta no programa. O material será submetido à perícia da PF. Entre as mídias estão dois áudios, publicados pela revista Veja esta semana, nos quais dirigentes do ministério instruem o policial a fraudar documentos de prestação de contas de convênios firmados entre a pasta e duas ONGs que ele dirige.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

As diferentes caras do PSD no DF

Foto: Andressa Anholete / 247 e Thyago Arruda / 247

Celina Leão e Liliane Roriz fazem oposição, Washington mesquita é governista, Eliana Pedrosa é analítica e Rogério Rosso declara-se independente. Novo partido já é o segundo na Câmara Distrital

Noelle Oliveira _Brasília247 -- A ideia é que o Partido Social Democrático (PSD) seja independente, como defende o presidente da legenda no DF, o ex-governador Rogério Rosso. Ele insiste nisso, mas nem todos os filiados ao novo partido seguem o mesmo caminho. Apesar de o PSD não se posicionar como governo ou oposição, duas deputadas distritais colocam-se contra o governo, um apoia Agnelo e outra se declara neutra e "analítica". Mas ninguém briga por causa disso.

Washington Mesquita, que era o único representante do PSDB na Câmara, tem posição taxativa: está na base do governo de Agnelo Queiroz. Não poderia ser diferente. Foi dele a indicação do novo administrador de Taguatinga, Carlos Alberto Jales. "Estou na base de apoio, mas claro que sempre tendo em mente o que é melhor para Brasília e para a sociedade", pondera. "Preciso ser coerente, não posso me posicionar de uma forma diferente", justifica o distrital.

A novata Liliane Roriz, que era do PRTB, diz que foi clara com Rosso ao se decidir pela mudança de partido: "Deixei explícito que não abriria mão de ser oposição a esse governo, uma oposição responsável porque é disso que essa cidade está precisando". Ela acredita que as divergências entre os integrantes do partido são naturais e que ocorrerão em todo o país. "Mas vamos fugir do embate, com respeito, não cabe mais esse tipo de disputa em Brasília", avalia. A deputada afirma que já votou a favor do governo quando achou necessário e que isso pode vir a se repetir. "Os políticos podem pensar diferente, mas é importante que tenham um objetivo bem definido."

Policial que faz acusações contra ministro do Esporte entrega gravações à Polícia Federal

Comissão vai ouvir PM que fez denúncias contra ministro do Esporte

(texto publicado no site da Agência Câmara)

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle ouvirá nesta quarta-feira (26) o policial militar João Dias Ferreira sobre as denúncias feitas por ele de fraudes no Programa Segundo Tempo, do Ministério do Esporte. O convite ao policial foi proposto pelo deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA).

Também deverá ser ouvido o motorista Célio Soares Pereira, que também fez acusações contra o ministro do Esporte, Orlando Silva.

“É importante que João Dias e Célio possam trazer, na riqueza de detalhes que já apresentaram à imprensa e na reunião com as oposições, todas as denúncias que pesam contra o Ministério do Esporte”, disse Magalhães Neto.

Governo do PT-DF é contra a vida, diz deputada petista


A deputada federal Érika Kokay (PT-DF) afirmou, neste vídeo, que a posição do governo de Agnelo Queiroz (PT-DF) é a mesma posição do famigerado governo de José Roberto Arruda (ex-DEM), sobre a implantação do bairro Noroeste. “A posição do governo está clara. É uma posição contra a vida. A posição do governo atual é a mesma do governo anterior. É uma tentativa de, primeiro, cindir a comunidade, de fazer acordo, de cooptar, que é a mesma lógica do governo anterior. E nós temos a imprensa da mesma forma. A imprensa cumpri um desserviço”, declarou a deputada.

'O PCdoB desapareceu nas selvas do Araguaia'

Evandro Eboli, O Globo

Diante das denúncias de corrupção vinculadas ao PCdoB, Victória Grabois constata que as convicções políticas defendidas por sua família acabaram esquecidas. Na Guerrilha do Araguaia, ela perdeu o pai, Maurício Grabois, o irmão, André Grabois, e o marido, Gilberto Olímpio, ex-combatentes que ainda hoje são considerados desaparecidos.

A senhora assistiu ao programa do PCdoB?

Assisti e fiquei indignada. Não posso admitir que usem a imagem do meu pai, um grande comunista, que deu a vida a esse partido por suas convicções políticas e ideológicas. Ele foi perseguido, cassado, e desapareceu com seus companheiros. Os fatos que hoje atingem o partido são lamentáveis e não podem estar vinculados a esses valorosos dirigentes. Se meu pai estivesse vivo, ficaria envergonhado com o que virou o PCdoB.

Outro programa do Esporte depositou R$ 1,3 milhão em contas de fantasmas

Dono de uma das firmas que receberam dinheiro ignora o que foi vendido e diz que só 'arranjou nota'

Leandro Colon, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Dezenas de cheques de um convênio do Ministério do Esporte mostram que o descontrole no uso do dinheiro público não atinge só o programa Segundo Tempo. Pelo menos R$ 1,3 milhão do ministério foi parar no ano passado na conta de empresas fantasmas ou sem relação com o produto vendido para o programa Pintando a Cidadania.

Há cheques, por exemplo, de R$ 364 mil, R$ 311 mil, R$ 213 mil, R$ 178 mil, R$ 166 mil e R$ 58 mil. O dono de uma empresa destinatária dos cheques disse ao Estado que desconhece o que foi vendido, alegando ter "arranjado" a nota fiscal para um amigo receber dinheiro do ministério.

No dia 31 de dezembro de 2009, o secretário de Esporte Educacional, Wadson Ribeiro, assinou convênio de R$ 2 milhões com o Instituto Pró-Ação, com sede em Brasília. Ex-presidente da UNE e filiado ao PC do B, Wadson é homem de confiança do ministro Orlando Silva e assinou, nos últimos anos, boa parte dos convênios sob suspeita. Segundo o Portal da Transparência, o convênio com a Pró-Ação foi encerrado em abril deste ano e está em fase de prestação de contas.

Caco Barcelos considera jornalismo brasileiro declaratório

sábado, 22 de outubro de 2011

Nova denúncia aponta mais irregularidades no Ministério do Esporte

Assessores de Orlando Silva ajudaram PM a burlar fiscalização

Em gravações obtidas por VEJA, funcionários do ministério ajudam o PM a se livrar de ofício que o acusava de irregularidades

(texto publicado no site da revista Veja)

A edição de VEJA que chega às bancas neste sábado traz mais um capítulo do esquema de corrupção que transformou o Ministério do Esporte numa fábrica de dinheiro para o PCdoB - e também para políticos e entidades ligadas a ele.

Depois de relatar, na semana passada, denúncias do policial João Dias Ferreira contra o ministro Orlando Silva e seus comandados, VEJA teve acesso a novas provas da maneira como a máquina do Esporte se corrompeu. São gravações de uma conversa de abril de 2008 entre João Dias e dois assessores próximos de Orlando Silva: Fábio Hansen, então chefe de gabinete da Secretaria de Esporte Educacional, que cuida do programa Segundo tempo, e Charles Rocha, então chefe de gabinete da secretaria executiva do ministério.

Nem a melhor delas escapa

As irregularidades são comuns nos convênios entre as ONGs e o Ministério do Esporte. Até uma entidade considerada um modelo tem problemas

MURILO RAMOS E LEANDRO LOYOLA
(texto publicado no site da revista Época)

O Instituto Pró Ação é apontado pelo Ministério do Esporte como um modelo entre as ONGs que recebem recursos públicos para tocar projetos sociais. Quando autoridades estrangeiras vêm conhecer experiências de sucesso, geralmente são levadas a visitar as instalações da ONG no entorno pobre do Distrito Federal. Desde 2005, o Pró Ação mantém nove convênios que somam R$ 18,1 milhões do Ministério do Esporte. Foi contratado para atuar nos dois principais programas da pasta: o Segundo Tempo – que ministra práticas esportivas a alunos da rede pública quando estão fora das escolas – e o Pintando a Cidadania – dedicado a produzir o material usado no Segundo Tempo. Para ter uma ideia do tamanho dos problemas no Esporte, nem essa entidade mais conceituada escapa de suspeitas de irregularidades na aplicação do dinheiropúblico.

O Pró Ação é um negócio familiar. É presidido por Zilmar Moreira e administrado por seu filho, Eduardo Lima. Para confeccionar bolas, bonés e camisetas, a ONG contratou uma cooperativa dirigida por Maria Jovem Tibério de Lima. Maria é mulher de Zilmar e mãe de Eduardo. Parte do dinheiro público recebido pelo Pró Ação segue para a cooperativa dirigida por ela. “O ministério nunca impôs restrições”, afirma Eduardo Lima. “Além disso, prestamos contas de todas as despesas.” A contadora da ONG e da cooperativa é a mesma pessoa.

Pela segunda vez, Blog do Paraíso é Top 100 do Top Blog

O Blog do Paraíso participa neste ano, pela segunda vez, do Prêmio Top Blog. E pela segunda vez aparece na lista dos 100 melhores blogs profissionais de política. Isso graças a você, amigo leitor, que clicou no banner localizado no lado direito desta página e votou neste blog.

Assim como aconteceu no Prêmio Top Blog 2010, o Blog do Paraíso foi classificado para a segunda fase do premo, que começa neste sábado, 22 de outubro. No segundo turno do Prêmio, serão selecionados, pelo júri popular e acadêmico, e os três blogs finalistas.

Os votos da primeira fase não serão contados, portanto, os leitores deste blog, se quiserem colaborar mais uma vez, precisam clicar no banner ao lado e votar outra vez. Vencerão o Prêmio Top Blog 2011 os blogs mais votados, tanto pelo júri popular, quanto pelo júri acadêmico.

A premiação para o primeiro colocado, tanto no júri popular, quanto no júri acadêmico, é um selo, um certificado e um troféu. O segundo e o terceiro colocado receberão um selo e um certificado.

Pastor afirma que Esporte cobrou 10% para PCdoB

(texto publicado na Folha.com)

O fundador de uma igreja que recebeu R$ 1,2 milhão do Ministério do Esporte diz que foi pressionado a repassar 10% do dinheiro para os cofres do PC do B, o partido que controla o ministério, informa reportagem de Andreza Matais e Felipe Coutinho, publicada na Folha desta sábado (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL - empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

"Veio um monte de urubu comer o filezinho do projeto", disse à Folha o pastor evangélico David Castro, 56, que dirige a Igreja Batista Gera Vida, de Brasília.

Motorista reafirma reunião entre Agnelo e ONGs

Geraldo Nascimento disse à Polícia Civil que objetivo do encontro era arrecadar R$ 150 mil para evitar publicação de reportagem sobre esquema

Felipe Recondo / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

A iminente descoberta do esquema de desvio de recursos do programa Segundo Tempo motivou uma reunião de emergência entre o então ministro do Esporte e atual governador do DF, Agnelo Queiroz, e dirigentes de ONGs beneficiadas. Juntos, traçariam uma estratégia para evitar a publicação de irregularidades pela Veja e discutiriam o que fazer com o delator do esquema, Michael Alexandre Vieira da Silva, ex-funcionário do Instituto Novo Horizonte, uma das ONGs que recebeu recursos do programa.

É o que afirmou em depoimento prestado no ano passado, obtido pelo Estado, Geraldo Nascimento de Andrade, que agora acusa Orlando Silva de participação no esquema. Segundo ele, Agnelo se reuniu com o PM João Dias Ferreira, dono da Febrak, Miguel Santos Souza, contador que fornecia notas fiscais falsas para acobertar os desvios, e dirigentes de outras duas ONGs que se beneficiavam do esquema. De acordo com o depoimento, a reunião ocorreu em abril de 2008 no endereço que servia de fachada para três empresas que forneciam notas fiscais frias usadas para comprovar o suposto cumprimento dos convênios firmados com o Ministério do Esporte.

Geraldo Nascimento contou à Polícia Civil que na reunião foi debatida uma forma de arrecadar R$ 150 mil para tentar evitar a publicação da matéria pela revista Veja, baseadas nas acusações feitas por Michael. A matéria foi publicada em abril de 2008. Discutiriam também o que fazer com o delator.

STF abre ação penal contra a deputada federal Jaqueline Roriz

Ricardo Taffner
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu uma ação penal contra a deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF) devido à acusação de uso de documento falso e falsidade ideológica. Os crimes teriam supostamente ocorrido em 2006, quando a parlamentar figurava como representante da Agropecuária Palma Ltda. Além de Jaqueline, o engenheiro civil Waldo de Araújo Meireles foi denunciado. O STF recebeu o inquérito em 11 de março, mas só agora o relator, ministro Marco Aurélio Mello, decidiu modificar a natureza do processo e autuar a ação penal.

A denúncia foi apresentada em dezembro de 2006 no Juízo Federal da Subseção Judiciária de Luziânia (GO). Trabalhadores contratados por meio da empresa de engenharia de Meireles para construir pontes e cercas na Fazenda Palma afirmaram que a Agropecuária teria usado documentos falsos para promover a rescisão contratual junto à Vara da Justiça do município goiano. Se condenados, a deputada e o engenheiro podem ser punidos com reclusão de um a cinco anos, além de multa.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

"Saquei R$ 150 mil para Agnelo"

Principal testemunha da Operação Shaolin e ex-funcionário das ONGs que participaram das fraudes no Ministério do Esporte, Michael Vieira acusa o governador do DF e ex-ministro de ser o principal chefe do esquema e de ter recebido propina

Claudio Dantas Sequeira
(texto publicado no site da revista IstoÉ)

Nos últimos dias, o escândalo dos desvios de verbas de ONGs ligadas ao Ministério do Esporte, detonado pelo policial militar João Dias Ferreira, atingiu em cheio o ministro Orlando Silva e colocou em xeque a administração de nove anos do PCdoB à frente da pasta. Agora, uma nova e importante testemunha do caso pode dar outros contornos à história, ainda repleta de brechas e pontos obscuros. O que se sabia até o momento era que os comunistas, além de terem aparelhado o Ministério do Esporte, montaram um esquema de escoamento de verbas de organizações não governamentais para abastecer o caixa de campanha do partido e de seus principais integrantes. Em depoimentos ao longo da semana, o PM João Dias acusou Orlando Silva de ser o mentor e principal beneficiário do esquema. A nova testemunha, o auxiliar administrativo Michael Alexandre Vieira da Silva, 35 anos, apresenta uma versão diferente. Em entrevista à ISTOÉ, Michael afirma que o atual governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, e ex-ministro do Esporte, hoje no PT, mas que passou a maior parte de sua trajetória política no PCdoB, é quem era o verdadeiro “chefe” do esquema de desvio de recursos do Esporte. Até então, Agnelo vinha sendo poupado por João Dias.

Grande Ato Em Defesa de Brasília

Neste sábado, a partir das 11h da manhã haverá um grande ato em defesa do Santuário dos Pajés e dos cidadãos da cidade contra o crime do desmatamento da última área de cerrado nativo do Plano-Piloto. Juntos, mostraremos ao governo e às construtoras qual o real significado de uma Ecovila.

(texto publicado no site CMI Brasil)

Atividades:

Grande plantio de mudas nativas para reparar os danos dos tratores que exterminaram uma enorme área de vida silvestre de plantas e animais; Mutirão comunitário de bioconstrução de um local de convívio, harmonia entre cidadãos e a natureza; Música, pinturas e arte em geral; Jornada fotográfica; Mostra de filmes; Roda de prosa e muito mais!

Traga sua família, venha desfrutar do cerrado que ainda nos resta e venha contribuir da forma que puder.

Quando? Sábado, 22 de Outubro de 2011.
Onde? Santuário dos Pajés
Que horas? A partir das 11 horas da manhã

ONGs do Segundo Tempo têm que devolver mais de 50 milhões aos cofres públicos

Agnelo: o camarada traidor

(texto publicado na revista eletrônica Quid Novi)

A Polícia Federal saiu semana passada em busca de Daniel Almeida Tavares e Marília Coelho Cunha envolvidos no processo da ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária que corre em segredo de justiça. Os dois operadores de um esquema de propina na Agencia de Saúde do Governo Federal , durante a gestão do atual governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz, estão foragidos. A surpresa foi que Marília Coelho Cunha foi nomeada nesta 4ª feira, para um cargo no GDF, conforme o Diário Oficial de 19 de outubro de 2011, seção 2, página 36, mas está desaparecida.

A Polícia também não sabe de Daniel, mas o ex-funcionário do Laboratório União Química tem uma história para contar. Num fim de semana, quando Agnelo Queiroz estava à frente da ANVISA, o médico recebeu Daniel em sua mansão no Lago Sul. O governador do DF, levou Daniel para uma biblioteca no subsolo de casa, onde pouquíssimas pessoas costumam freqüentar. Daniel estava preparado para documentar o encontro desde a entrada na mansão de Agnelo. Alí, o rapaz entregou R$ 75 mil ao então dirigente da ANVISA como pagamento de propina efetuado pelo Laboratório União Química.

Agnelo reclamou a Daniel. Sentiu falta de R$ 5 mil na quantia combinada. O rapaz prometeu ao político depositar o dinheiro no dia seguinte. E o fez, através de transferência bancária via HSBC. Deste modo, Daniel recolheu mais uma prova contra Agnelo Queiroz.

Outro episódio que Daniel tem registrado é o presente que a União Química deu para o filho de Agnelo Queiroz: um pálio branco. Agnelo perguntou a Daniel o valor do carro e foi informado: R$ 30 mil. O Governador pediu que Daniel então vendesse o veículo e depositasse o dinheiro em sua conta bancária. O que foi feito em seis parcelas semanais, no mesmo HSBC.

A história de Marília Coelho Cunha é tão interessante quanto a de Daniel e envolve a mesma União Química. Marília foi Gerente de Inspeção e Controle de Insumos da ANVISA e responde processo de favorecimento ilícito ao Laboratório.

Essas informações não estão exclusivas de Daniel. Fazem parte também de um dossiê que o soldado quatro estrelas João Dias Ferreira tem em suas mãos sobre seu camarada Agnelo Queiroz. João Dias procurou Daniel e recolheu o material para tentar salvar, na época o então amigo de PC do B.

Sabe-se que Marília mora numa mansão no condomínio Ville de Montagne, no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, que ganhou de presente da União Química, através de Agnelo e Rafael. Foragida da Polícia Federal, por conta do processo da ANVISA, a moça foi nomeada para presidir comissão de licitação na Secretaria de Saúde nesta 4ª feira, mas já se sabe que não pretende comparecer ao trabalho, pois está novamente sob a guarda de Agnelo e Rafael, o todo poderoso Secretário do DF. Daniel Almeida Tavares também ganhou de presente um cargo público: foi nomeado para um cargo na Administração do Plano Piloto, mas preferiu não aceitar e pediu pra sair.

Em nota, Dilma diz que 'não condena ninguém sem provas'

Presidente se reuniu com ministro do Esporte, Orlando Silva, no Planalto. Ela afirmou que não vai aceitar que alguém seja condenado 'sumariamente.'

Nathalia Passarinho
Do G1, em Brasília

Após reunião com o ministro do Esporte, Orlando Silva, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (21), em nota, que governo "não condena ninguém sem provas e parte do princípio civilizatório da presunção da inocência". Depois da conversa com Dilma, Orlando Silva deu uma entrevista coletiva para dizer que fica no comando da pasta.

Na nota, a presidente afirma que não lutou contra a ditadura para depois aceitar a condenação "sumária". “Não lutamos inutilmente para acabar com o arbítrio e não vamos aceitar que alguém seja condenado sumariamente”, disse a presidente.


Comentário deste blog: por que será que o policial militar João Dias está demorando tanto para apresentar as supostas provas que ele diz ter contra o ministro do Esporte? Avalio que não há, aparentemente, nenhum motivo para tanta demora. Para Orlando Silva deixar o ministério, só está faltando a divulgação das provas. Ou será que João Dias está blefando? Para não correr o risco de cometer uma injustiça, a presidenta Dilma Rousseff agiu bem e não demitiu o ministro. Se até a semana que vem as provas contra Orlando Silva não aparecerem, elas não aparecerão nunca. Localizado na cidade de São Sebastião-DF, o presídio da Papuda será o destino do policial militar.

Ministério Público pede ao STF que inclua o inquérito do STJ contra Agnelo Queiroz

PF informa que até agora não recebeu provas materiais de João Dias

Pedro Peduzzi e Roberta Lopes
Repórteres da Agência

Brasília - A Polícia Federal informa que até agora não recebeu do policial militar João Dias Ferreira, autor de denúncias sobre a existência de um esquema de corrupção no Ministério do Esporte, nenhum documento ou gravação que possa resultar em prova material para embasar as investigações sobre o caso que envolve o ministro da pasta, Orlando Silva. A informação foi confirmada hoje (21) pela Agência Brasil no Departamento de Polícia Federal, no Instituto Nacional de Criminalística e nas superintendências da PF no Distrito Federal e em São Paulo.

Esporte deu R$ 9,4 mi a ONG ligada a assessor de ministro

(texto publicado na Folha.com)

O Ministério do Esporte repassou nos últimos anos R$ 9,4 milhões a uma organização não governamental e uma empresa dirigidas por pessoas ligadas a um integrante da cúpula da pasta, o secretário de Esporte Educacional, Wadson Ribeiro,

A informação está em reportagem de Maria Clara Cabral, Dimmi Amora, Filipe Coutinho, Andreza Matais e Breno Costa, publicada na Folha desta sexta-feira (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Ministro do Esporte processa delatores por calúnia

(texto publicado no site Terra)

O ministro do Esporte, Orlando Silva (PCdoB), entrou com um processo na Justiça Federal contra os principais delatores do suposto esquema de corrupção em sua pasta, o policial militar João Dias Ferreria e Célio Soares Pereira. A Advocacia-Geral da União (AGU) divulgou nesta quinta-feira que aceitou o pedido de Orlando Silva e apresentou à Justiça Federal queixa-crime contra os dois, que serão processados por crime de calúnia e podem ser condenados a pena de até dois anos e oito meses de cadeia.

Blefe ou fato? Só João Dias pode dizer, mostrando as provas

Para não cometer nenhuma injustiça, antes da sociedade pedir a demissão do ministro do Esporte, Orlando Silva (PCdoB), é preciso exigir que o policial militar João Dias apresente as provas. Mas, se as denúncias não passarem de um blefe, o lugar do senhor Dias é a Papuda – presídio localizado na cidade de São Sebastião.

A justiça e órgãos como a Controladoria Geral da União apontam indícios de irregularidades em diversos contratos do Programa Segundo Tempo, mas quem acusa Orlando Silva de ter participado diretamente do suposto esquema de corrupção é o policial João Dias, por isso ele tem a obrigação de apresentar as provas.

Desde o início das denúncias de corrupção, Orlando Silva afirma categoricamente que “não houve, não há e nem haverá nenhuma prova”. Se a palavra do ministro se confirmar, e João Dias não apresentar nenhuma prova, este blog será o primeiro a fazer um pedido de desculpa. Caso contrário, o pedido de desculpa deverá ser feito por Orlando Silva e todos os envolvidos.

O pedido deverá ser voltado para todos os brasileiros que viram seu dinheiro sendo escorrido pelo ralo da corrupção supostamente instalado no Ministério do Esporte.

Deputados divergem sobre CPI para investigar Agnelo

(texto publicado no site da CLDF)

Oposição e base governista divergem sobre competência da Câmara Legislativa em investigar denúncias de irregularidades no programa Segundo Tempo do Ministério dos Esportes, envolvendo o governador Agnelo Queiroz, ex-dirigente da Pasta. A deputada Celina Leão (PSD) rebateu ontem (19) o argumento de que o assunto deve ser analisado na esfera federal porque os recursos são da União. Segundo ela, o Orçamento do DF também destinou recursos ao programa Segundo Tempo, como contrapartida.

Celina informou que o GDF investiu mais de R$ 500 mil no projeto e por este motivo a Câmara Legislativa tem total prerrogativa para investigar as denúncias apresentadas nos últimos dias. O pedido de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para analisar as denúncias foi apresentado na terça-feira (18) pela deputada e já conta com cinco adesões.

A parlamentar critica ainda a falta de informações do governador sobre as denúncias. “A CPI é para apurar a denúncia e buscar a verdade. O governador não pode fugir da imprensa. Esta situação é vexatória”, declarou.

Sem fundamento - Já o deputado Chico Vigilante (PT) defende que a CPI não tem amparo legal para funcionar no Legislativo local. “Esta CPI não tem objeto e nem fundamento. As questões apontadas até o momento dizem respeito apenas à esfera federal”, argumentou.

Vigilante negou a existência de crise no GDF. Segundo ele, não há nenhuma denúncia concreta contra o governador Agnelo Queiroz. O deputado enfatizou que denúncias antigas apresentadas durante o período eleitoral estão sendo investigadas a pedido do próprio Agnelo.

Procurador Geral da República pode pedir que inquérito contra Agnelo Queiroz vá para o STF

Agnelo e Orlando são siameses

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), e o ministro do Esporte, Orlando Silva (PCdoB), são irmãos siameses. Não adianta um jogar a culpa no outro. Se um cair, o outro cai junto.

As suspeitas de corrupção no Programa Segundo Tempo caem sobre contratos celebrados na época que Agnelo Queiroz era filiado ao PCdoB, chefiava o Ministério do Esporte e tinha como braço direito Orlando Silva. Depois que Agnelo deixou o cargo de ministro e Orlando assumiu no seu lugar, os indícios de irregularidades não cessaram. Muito pelo contrário, perduraram até recentemente.

Orlando Silva, e seus apoiadores, dizem que a imprensa está dando voz a um bandido. Mas eles esquecem que há notícias de corrupção sobre outras Organizações Não Governamentais (ONGs), espalhadas pelo Brasil. Logo, as denúncias do policial militar João Dias não são um caso isolado.

E não adianta dizer que as denúncias são armações de adversários políticos, pois não estamos em ano eleitoral. Em 2010, os adversários políticos de Agnelo usaram sem nenhuma moderação os depoimentos de pessoas envolvidas na Operação Shaolin da Polícia Civil. As eleições passaram, mas as investigações continuaram, inclusive, o processo foi enviado recentemente para o Supremo Tribunal Justiça, por haver indícios de envolvimento do governador do DF.

O Partido dos Trabalhadores (PT) não precisava passar por este desgaste político e moral, vendo o nome de seu segundo governador eleito em Brasília envolvido no suposto esquema de corrupção do Ministério do Esporte, justamente depois de ter acontecido na Capital da República o famigerado escândalo da Caixa de Pandora.

Mesmo possuindo em seu quadro interno lideranças políticas fortes e sem envolvimento em denúncias de corrupção, dirigentes do PT no DF, para satisfazer projetos pessoais, preferiram importar um candidato de outro partido.

Nas eleições prévias de 2010, a militância petista bem que tentou evitar a imposição de Agnelo como candidato a governador. Mas o poder econômico dos principais dirigentes do PT-DF foi maior. E deu no que deu. Agnelo Queiroz venceu a eleição interna contra o deputado federal licenciado Geraldo Magela (PT), venceu a eleição contra Joaquim Roriz (PSC) e, agora, antes mesmo de completar um ano no governo, corre o risco de deixar o mandato.