Blog do Paraíso: Novembro 2010

terça-feira, 30 de novembro de 2010

30 de novembro é dia do evangélico

O Dia do Evangélico existe, oficialmente, no Brasil graças a lei federal 12.328 de 2010, mas não é feriado nacional. Comemorado em 30 de novembro, o Dia do Evangélico passou a ser ponto facultativo no Distrito Federal em 1995, depois da criação da lei distrital 893. A partir daí, a ideia teria se espalhado por todo país. Outros municípios regulamentaram a lei que neste ano passou a ser federal.

O dia 30 de novembro foi escolhido porque foi nesta data, em 1956, que teria acontecido em Brasília o primeiro grande culto evangélico, o que não é motivo para ser celebrado em todo o país, assim como prevê a lei federal.

Diversos municípios que regulamentaram a lei, contudo, não celebram o Dia do Evangélico em 30 de novembro. Em 3 de julho, por exemplo, aconteceu na cidade de Sobral, no Ceará, a primeira comemoração do Dia do Evangélico. Em Juazeirinho, na Paraíba, a celebração da data foi realizada em 20 de outubro.

A Constituição do Brasil de 1988 estabelece, no artigo 19, que é “vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios” o estabelecimento de “cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público”.

Ainda de acordo com a Constituição do Brasil, artigo 5º, “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”.

Com o precedente criado com a lei federal que estabeleceu o dia do evangélico, o governo deveria elaborar um projeto de lei que desse o mesmo direito aos católicos, judeus, xiitas, umbandistas, ateus, entre outros.

Número de pedintes nas ruas do DF cresce até 80% no fim de ano

Moradores de rua e pessoas carentes se aproveitam do espírito natalino para pedir doações nas ruas. Brasilienses devem ficar atentos para não estimular a mendicância, alerta a Secretaria de Desenvolvimento Social do Distrito Federal. Governo orienta que doações sejam feitas para entidades de assistência social

(texto publicado no site da Agência Brasília)

Com a chegada das festas de fim de ano, cresce o aumento de consumidores nas ruas e junto com ele, o número de pedintes por toda a cidade, principalmente próximos a pontos turísticos e áreas de compras. Segundo levantamento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda (Sedest), neste período do ano, o número de pessoas pedindo esmolas chega a crescer até 80% no Distrito Federal.

O Coordenador de Ações Especiais da Sedest, Evanildo Sales Santos, explica que o número de pedintes começa a aumentar já no mês de setembro e segue até fevereiro. “Esse período é crucial. Vai das festas de final de ano até o início das aulas, quando muitos esperam ajuda com o ganho de materiais escolares”, esclareceu.

PT amplia guerra com PMDB para controlar Correios e Banco do Brasil

Diante da perspectiva de assumir o Ministério das Comunicações, petistas iniciam discussão com Dilma para nomear também dirigente da estatal e pôr fim ao loteamento político

Vera Rosa / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

Diante da perspectiva de comandar o Ministério das Comunicações, o PT planeja desalojar o PMDB da direção da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT). O pedido será encaminhado pela cúpula do partido à presidente eleita, Dilma Rousseff.

A ideia, no entanto, é passar um verniz de ‘desloteamento’ político nos Correios para apresentar a reivindicação como uma tentativa de profissionalizar a estatal, alvo de uma sucessão de crises nos últimos meses.

A direção do PT aposta que o futuro ministro das Comunicações será Paulo Bernardo, atual titular do Planejamento, e já começou a vasculhar uma das chamadas joias da coroa.

PMDB ‘perde’ 3 pastas e aguarda por ‘contrapartidas’

(texto publicado no Blog do Josias de Souza)

Dos seis ministérios que chama de seus, o PMDB deve perder três: Comunicações, Integração Nacional e Saúde.

O primeiro, Dilma Rousseff planeja entregar ao petista Paulo Bernardo. O Segundo, ela cogita repassar ao PSB. No terceiro, deseja acomodar um “especialista”.

Numa quarta cadeira, a de ministro da Defesa, Dilma manterá, a pedido de Lula, Nelson Jobim.

Embora Jobim seja um filiado histórico do PMDB, sua renomeação não é apropriada como ativo do partido.

De concreto, por ora, o PMDB recebeu de Dilma duas sinalizações: Wagner Rossi, ligado a Michel Temer, pode ser mantido no Ministério da Agricultura.

E a pasta de Minas e Energia, na qual José Sarney almeja realocar o senador Edison Lobão, deve permanecer sob o guarda-chuva da legenda.

Documentos confidenciais revelam que, para EUA, Itamaraty é adversário

FERNANDO RODRIGUES
DE BRASÍLIA
(texto publicado no site da Folha de S. Paulo)

Wikileaks Telegramas confidenciais de diplomatas dos EUA indicam que o governo daquele país considera o Ministério das Relações Exteriores do Brasil como um adversário que adota uma "inclinação antinorte-americana".

Esses mesmos documentos mostram que os EUA enxergam o ministro da Defesa, Nelson Jobim, como um aliado em contraposição ao quase inimigo Itamaraty.

Mantido no cargo no governo de Dilma Rousseff, o ministro é elogiado e descrito como "talvez um dos mais confiáveis líderes no Brasil".

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Pesquisa revela que muitos eleitores esqueceram em quem votaram

(texto publicado no site do TSE)

Uma pesquisa sobre a Campanha de Esclarecimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para as Eleições 2010 revela que boa parte dos eleitores brasileiros já não se lembra mais em quem votou nas eleições deste ano.

O esquecimento é maior em relação aos cargos de deputado estadual, no qual 23% dos eleitores entrevistados não lembraram o candidato escolhido na hora do voto. Em segundo lugar com maior grau de esquecimento foram os votos dados para deputado federal, onde 21,7% afirmaram que não se lembram em quem votou. No caso de senador, o esquecimento ficou em torno de 20,6% dos entrevistados.

A pesquisa foi realizada por meio de duas mil entrevistas divididas nas cinco regiões do país e em 24 estados. Um sorteio aleatório selecionou 136 municípios dentro desse universo para entrevistar as pessoas logo após o segundo turno das eleições.

O estudo ocorreu entre os dias 3 e 7 de novembro e tem margem de erro de 2,2% para mais ou para menos. Os entrevistados tinham entre 16 e 70 anos com variação de escolaridade entre a 4ª séria do ensino fundamental e o ensino superior completo. A maioria dos entrevistados – 32% - declarou ter o ensino médio completo.

Comentário deste Blog: é lamentável!

Documentos revelam infiltrações políticas dos EUA em diferentes países

JULIAN ASSANGE
ESPECIAL PARA A FOLHA

Esses documentos mostram a verdadeira história do império americano de 1966 a 2010, da maneira como foi relatada pelas embaixadas de todo o mundo.

São cerca de 285 milhões de palavras sobre intriga diplomática. Se fossem impressas, daria para preencher mais de 3.000 livros.

Os documentos mostram infiltrações políticas dos Estados Unidos em quase todos os países, mesmo naqueles considerados "neutros", como a Suécia e a Suíça. As embaixadas observam de perto a mídia local, o serviço de inteligência, a indústria de armas e de petróleo e fazem forte lobby para todo tipo de empresas americanas.

Os telegramas das embaixadas dos EUA são a coisa mais interessante que eu já li e o vazamento de informações secretas mais importante da história.

É uma riquíssima documentação sobre como o mundo funciona de fato. Antes mesmo do lançamento do Cablegate, os EUA alertaram quase todos os governos do mundo, tal é o medo que regimes abusivos e relações escusas sejam expostos.

CENSURA
O Reino Unido emitiu uma notificação à imprensa, o DA-notice (um pedido oficial para revisar todo material sobre o tema antes da publicação), o que pode ser visto como uma censura velada.

Assim, nas próximas semanas, vamos poder julgar o clima político em dezenas de países através da maneira como eles respondem.

Será que vão se empenhar numa campanha para desviar as atenções ou será que vão fazer uma campanha para mudar a maneira como as coisas são feitas?

Para esse lançamento, começamos a produzir também reportagens em português no nosso site, porque o WikiLeaks tem muitos apoiadores no Brasil.

A filosofia da nossa organização é compartilhada pelos grupos brasileiros que lutam por liberdade na mídia, na imprensa e na internet.

Temos parceria com o "New York Times" e o "Guardian" para chegar ao público que fala inglês, o "El Pais" para os que falam espanhol, o "Le Monde" para francês e "Der Spiegel" para alemão.

PORTUGUÊS
Mas o português também é uma língua muito importante, e a publicação deste material é de grande interesse para os brasileiros -e de grande interesse para definir os rumos do novo governo.

Desde o começo o WikiLeaks foi construído para ajudar a todo o mundo. Injustiça em qualquer lugar é injustiça em todo lugar.

Nós acreditamos que a internet é uma ferramenta que permite que pessoas corajosas se reúnam para lutar por justiça e vencer. Com a ajuda dos internautas, podemos exigir que a nação superpoderosa preste contas a todos.

JULIAN ASSANGE é editor do WikiLeaks

Comentário deste Blog: o artigo do editor do WikiLeaks só confirma o que todos sabem, desde o golpe da ditadura militar de 1964, engendrado com o apoio dos Estados Unidos.

Dilma marca reunião com Cabral

Presidenta eleita conversou duas vezes com o governador e manifestou apoio e solidariedade à população carioca

Andréia Sadi, iG Brasília

A presidenta eleita, Dilma Rousseff, deve se encontrar nesta terça-feira com o governador do Rio de Janeiro (RJ), Sérgio Cabral (PMDB), para tratar da operação contra o narcotráfico na cidade. Segundo o iG apurou o encontro será às 17:30 no CCBB, em Brasília. De acordo com a assessoria de imprensa da presidenta eleita, Dilma e Cabral conversaram duas vezes por telefone.

Nas ligações, Dilma manifestou apoio e solidariedade à população do Estado. A onda de violência na cidade já contabiliza dezenas de veículos incendiados e cabines de polícia metralhadas nos últimos dias.

sábado, 27 de novembro de 2010

Da série efeito pós-eleição: pizza!!

Comissão de Ética aprova arquivamento dos processos contra distritais

(texto publicado no site da CLDF)

Depois de mais de três horas de discussões e de duas suspensões da reunião, a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Ética e Decoro Parlamentar decidiu, por três votos favoráveis, um contrário e uma declaração de impedimento, aprovar hoje (26) o arquivamento dos processos contra os cinco deputados cujos nomes foram citados em gravações da Operação Caixa de Pandora, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em novembro do ano passado.

Para chegar a essa decisão, os deputados tiveram de anular a votação realizada em 24 de junho passado por eles próprios, que determinava o sorteio dos relatores para cada um dos processos contra os deputados Benedito Domingos (PP), Benício Tavares (PMDB), Rôney Nemer (PMDB), Aylton Gomes (PMN) e Rogério Ulysses (PRTB).

Há um ano, PF e MP iniciavam a operação que abalou a política do DF

Operação Cauixa de Pandora resultou na prisão e na cassação de Arruda, na renúncia do vice e em processos contra o ex-procurador-geral. A maioria dos envolvidos nas denúncias caiu no ostracismo

Lilian Tahan
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

Madrugada de 27 de novembro de 2009. Antes de o dia clarear, agentes da Polícia Federal (PF) e integrantes do Ministério Público (MP) iniciavam a operação que traria a público o maior escândalo político da história do Distrito Federal. A Caixa de Pandora, como foi chamada a ação policial, revelou uma teia de corrupção com envolvimento dos poderes Executivo e Legislativo. A contaminação, como se viu com os desdobramentos das investigações, não poupou até quem se pressupunha no papel de guardião da Justiça. Integrantes do MP também estão sob suspeição. Um ano após aberta, a Caixa de Pandora revelou conversas, depoimentos, gravações, imagens, documentos, perícias que colocaram em xeque reputações, destruíram carreiras políticas e alteraram drasticamente o cenário político da capital da República. No entanto, as punições judiciais para os acusados ainda não se concretizaram

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Dilma define Palocci na Casa Civil e fecha núcleo político

Gilberto Carvalho, assessor de Lula, vai para Secretaria-Geral da Presidência

Agora deve começar a fase mais crítica na formação do ministério: a negociação de cargos com os partidos aliados

DE BRASÍLIA
(texto publicado no jornal Folha de S. Paulo)

A presidente eleita, Dilma Rousseff, anunciará na próxima semana os nomes de Antonio Palocci e Gilberto Carvalho para a Casa Civil e a Secretaria-Geral da Presidência, respectivamente.

Palocci desejava ir para a Casa Civil desde o começo, mas chegou a considerar a alternativa de assumir a Secretaria-Geral. Dilma tinha dúvidas sobre colocá-lo na pasta. Sempre disse que não queria superministros.

A presidente eleita acabou se convencendo de que Palocci era a melhor opção para gerenciar o governo.

A Casa Civil será desidratada, e já perdeu musculatura com a transferência do Minha Casa, Minha Vida e do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) para o Planejamento. Medidas adicionais serão tomadas para reduzir o aspecto administrativo-gerencial que a pasta teve nos últimos anos.

Após divulgar os nomes dos ministros que terão assento no Palácio do Planalto, a petista enfrentará a fase mais crítica na formação dos ministérios: negociar cargos com os dez partidos da base de apoio, além de PP e PTB.

Agnelo escolhe Paulo Tadeu para representá-lo em negociações na CLDF

Luísa Medeiros
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

A inoperância dos distritais no plenário da Câmara Legislativa, evidenciada nos últimos três dias pela falta de quorum para votar os projetos, refletiu na transição. O governador eleito, Agnelo Queiroz, credenciou ontem o líder da bancada do PT na Casa, Paulo Tadeu, para ser o interlocutor político do futuro governo entre os parlamentares. A missão dele é conseguir fechar acordos com os colegas para acelerar a apreciação das propostas de interesse do futuro Executivo, sem deixar de lado as demandas de cada deputado. Com a abertura de um diálogo mais direto com os distritais, mesmo não sendo feito pelo próprio Agnelo, como defendem alguns políticos, ampliou-se a possibilidade da retomada dos trabalhos legislativos. A expectativa é de que na próxima quarta-feira sejam votados alguns vetos e uma emenda à Lei Orgânica do DF.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Distritais abandonam o trabalho

Benedito Domingos reclama de perseguição da mídia

(texto publicado no site da CLDF)

O deputado Benedito Domingos (PP) reclamou na sessão ordinária desta quinta-feira (25) do tratamento que vem recebendo da imprensa. O parlamentar afirmou que está sofrendo uma campanha sistemática da mídia, que publica denúncias contra ele sem provas, "baseadas apenas em declarações".

Domingos informou que abre mão de seus sigilos telefônico, fiscal e bancário, bem como os de sua esposa e de seus filhos. Ele também Co que considerou "excessos" do Ministério Público. "O MP tem tomado medidas drásticas sem qualquer prova, baseado apenas em declarações", lamentou.

Benedito Domingos é alvo de investigação do Ministério Público

Procuradora-geral de Justiça do DF solicita investigação policial para apurar se o deputado favoreceu empresa comandada pelos filhos ao destinar emendas para a construção de fontes luminosas

Lilian Tahan
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

O distrital Benedito Domingos (PP) terá de prestar esclarecimentos à polícia sobre seus interesses na construção de fontes luminosas no Distrito Federal. A procuradora-geral de Justiça, Eunice Carvalhido, pediu ontem a abertura de inquérito policial para investigar suposto favorecimento do parlamentar à empresa responsável pelas obras que, no DF, é representada pelos filhos dele. Entre as evidências da ligação do político com o empreendimento do qual se beneficiavam os herdeiros está o fato de o deputado destinar emendas parlamentares para erguer esses pontos turísticos.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Mantega, Tombini e Belchior são indicados para equipe econômica

(texto publicado no site da BBC Brasil)

A equipe de transição da presidente eleita, Dilma Rousseff, confirmou nesta quarta-feira os nomes de Alexandre Tombini para a presidência do Banco Central (BC) e de Miriam Belchior para o Ministério do Planejamento, além da permanência de Guido Mantega à frente da Fazenda.

Os três deram entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, em que Mantega anunciou que 2011 será um ano de "contenção de gastos" e aumento da poupança pública, e que o governo – com "esforço conjunto dos três Poderes" – deve recuar para abrir espaço ao setor privado.

Em referência à chamada guerra cambial, Mantega afirmou que não permitirá “que a manipulação do câmbio (em outros países) prejudique o real”.

Tombini comentou o sistema de metas da inflação, dizendo que “as regras do jogo já estão definidas e que o regime (em vigor) vem funcionando como guia”.

Eles disse ainda que o BC terá “autonomia operacional total” e que o órgão tem de “continuar contribuindo para o protagonismo do Brasil” no exterior.

43º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

O Distrito Federal (DF), muitas vezes chamado apenas de Brasília, tem outras coisas para oferecer aos brasileiros, além dos vergonhosos escândalos de corrupção. Uma dessas outras coisas é uma grande contribuição para a cultura. Estou me referindo ao 43º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Neste ano, o Festival teve início nesta terça-feira, 23 de novembro, e vai até a próxima terça-feira, 30 de novembro (clique aqui e confira a programação completa).

Não participei da abertura oficial porque era só para convidados – e eu não fui convidado –, mas compareci nesta quarta-feira, 24 de novembro, a “Mostra Brasília Digital”, exibida na Sala Martins Pena do Teatro Nacional Cláudio Santoro – com entrada franca.

Antes da exibição de 19 curtas metragens, houve apresentação dos diretores e das equipes que fizeram os filmes de duração inferior a 30 minutos.

Entre os curtas exibidos, os melhores foram: Profissão Gari – Invisibilidade Visível, de Erasmo Salomão (16 min); Expresso, de João Lucas Braga e Raphael Cardoso (12 min); O que as cartas não veem, de Marconi Martins de Araújo (13 min); e Na Casa ao Lado, de Naiara Rimoli (10 min).

O curta Profissão Gari – Invisibilidade Visível se destacou por ser um vídeo documentário a respeito de uma profissão pouco percebida e ignorada pela sociedade – o apresentador da Band Boris Casoy que o diga.

O filme Expresso causa sensação ao contar uma história que simboliza uma viagem de trem, comparação que fica subtendida no curta. Numa viagem de trem, algumas pessoas descem e ficam no meio do caminho. Outras sobrem e seguem conosco, mas chega um momento que temos que descer e deixar o trem seguir com os outros passageiros. E é isso que acontece na história e na vida.

O que as castas não veem conta, de maneira genial, a história de uma mulher que, com sua intuição, percebeu que foi traída pelo marido e, com sua perspicácia, descobriu quem era a amante.

O curta Na Casa ao Lado é uma história, bem humorada, contada por um peixe que disputa a atenção de sua dona com os calçados dela.

Sessões ordinárias e a toca de poder no Distrito Federal

A ausência dos deputados distritais nas sessões ordinárias da Câmara Legislativa revela a falta de interesse de prestar um bom serviço para a população do Distrito Federal, calejada de tanto ouvir, ver e ler notícias de corrupção durante um ano inteiro.

O desinteresse, talvez, seja pelo fato de que muitos estejam com a autoestima lá em baixo por causa da derrota nas urnas. Outros estão, digamos, de barriga cheia, cuspindo no prato que comeu, após conquistarem a reeleição e, portanto, não precisarem mostrar serviço, pelo menos, nos dois próximos anos, afinal, as eleições só acontecem daqui a quatro anos.

Enquanto isso, sem contar com a presença da maioria dos deputados, as sessões continuam ordinárias, sem nenhuma serventia. O povo continua sofrendo com a realidade cruel do caos presente na saúde pública. O martírio fica completo graças ao transporte público, caro, de má qualidade e ilegal – até hoje não foi feita a licitação que renovaria a concessão de quase todas as empresas. Para quem tem carro, a cruz não é menor. Tem que suportar longos engarrafamentos em pistas esburacadas, inacabadas ou mal feitas.

A displicência, infelizmente, não se restringe as excelências do Legislativo. O governador biônico Rogério Rosso (PMDB-DF), com os dias contados no poder, não demonstra muita animação para terminar e inaugurar obras. A reboque e pressionado pela opinião pública, finalizou a interminável e homérica empreitada da Estrada Parque de Taguatinga (EPTG). Diz que vai inaugurar uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Samambaia para minimizar os problemas da saúde pública. A decoração de natal corre o risco de não ter. Falta dinheiro.

O Distrito Federal está jogado às moscas, cheio de baratas e cardumes de ratos, consequência da troca de poder, pós-período eleitoral.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Greve da Novacap aumenta os problemas nas vias públicas

Deputados protestam contra falta de quórum para votações

(texto publicado no site da CLDF)

Mais uma dia sem quórum para votações na Câmara Legislativa. Depois de várias chamadas sem sucesso, feitas pela Mesa, o presidente da casa, deputado Wilson Lima (PR) desabafou e cobrou a presença de parlamentares em Plenario, para retomarem as votações.

"O governador eleito esteve aqui e foi recebido por 19 parlamentares, quando foi decidido por todos que a pauta de votações até o final de ano seria negociada entre os parlamentares e os representantes do novo governo", enfatizou o presidente. "Fizemos o dever de casa; quando vossas excelências quiserem estamos prontos para as votações", ressaltou.

O deputado Reguffe (PDT) enfatizou que só faltam nove dias de plenário até a chegada do recesso legislativo, lembrando que na Ordem do Dia estão acumulados 90 proposições, além daquelas que ainda devem ser incluídas com as negociações. O distrital criticou também a falta de votações nas comissões permanentes da Casa: "A maioria delas ou não está funcionando, ou está funcionando precariamente".

Negociações não avançam e servidores da Novacap continuam em greve

(texto publicado no site do Correio Braziliense)

Os servidores da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) permanecem de braços cruzados nesta terça-feira (23/11). A greve foi iniciada na segunda (22/11) e não tem data para terminar. De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Servidores e Empregados de Administração Funcional, das Autarquias, Empresas Públicas e Sociedade de Economia do Distrito Federal (Sindser-DF), Evandro Machado, apenas 350, dos dois mil funcionários do órgão, estão trabalhando, já que a adesão à paralisação foi de 95%, principalmente daqueles que realizam trabalhos práticos. "Além disso, há mais ou menos 200 cargos comissionados, que também não estam em greve, mas a maioria é da parte administrativa", explica.

Distrital quer convocação de presidente da Novacap

(texto publicado no site da CLDF)

A deputada Erika Kokay (PT) solicitou hoje (23) ao presidente da Câmara Legislativa, Wilson Lima (PR), que coloque em votação na próxima sessão ordinária requerimento para que o presidente da Novacap, Júlio César Mota, seja convocado a prestar esclarecimentos no legislativo em virtude da deflagração da greve dos servidores daquele empresa. Lima concordou em colocar a proposição para votação, quando houver quórum suficiente em Plenário.

Zildenor Ferreira Dourado - Coordenadoria de Comunicação Social

O jeitinho Agaciel

Brasília DF

Luiz Carlos Azedo
luizazedo@dabr.com.br
(texto publicado no site do Diário de Pernambuco)

Principal personagem dos recentes escândalos que mancharam a imagem do Senado, o ex-diretor Agaciel Maia, eleito deputado distrital em outubro, já começou a colocar seu estilo de administração a serviço da Câmara Legislativa do Distrito Federal. Ele tratou de reunir um grupo de servidores do órgão para ouvir as reivindicações sobre melhoria de salários e planos de carreira. Além disso, já pensa em como fazer novos contratos de terceirização para driblar a Lei de Responsabilidade Fiscal, que colocou a Casa no limite de gastos, e garantir a abertura de novos postos de trabalho para gente sem concurso público.

A ideia é retirar funcionários da limpeza e manutenção da folha de pagamento oficial e realocá-los para empresas contratadas pelo órgão. Com a economia - no papel- desses salários, está aberto o espaço para reajustes e nomeações em cargos de confiança. Para repetir com êxito o enredo de benesses e artimanhas que marcou a história do Senado, o ex-diretor já paquera o cargo de primeiro-secretário da CLDF. Para viabilizar-se, conta com a experiência do servidor Arlecio Gazal, conhecido pelo trânsito fácil entre políticos distritais e pelo lobby constante a favor de servidores comissionados. A parceria rende a Agaciel o conhecimento das entranhas da sua nova Casa e das fragilidades dos seus novos adversários. Os planos do novo deputado estão sendo traçados e consistem no uso das mesmas táticas de quando ele administrou o Senado. Afinal, ele sabe que o jogo criado por ele pode render-lhe outras dezenas de anos no poder.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Eleições 2010 podem ser consideradas, no Brasil, o marco do começo das campanhas na internet

As eleições 2010 revelaram que a internet no Brasil, ainda, não pode ser considerada o principal meio de comunicação para a realização de campanhas. Ainda. Pois vai chegar um dia em que os vencedores nas urnas serão também aqueles que tiverem a maior presença e a melhor estratégia na internet.

Neste dia, o acesso à internet banda larga será tão comum, quanto é hoje o acesso ao telefone celular. A televisão que, por enquanto, continua sendo o principal veículo de comunicação, estará integrada a internet, bem como os demais meios de informação.

Tudo isso não é uma previsão futurista, mas uma realidade presente que começa a brotar no Brasil e que já existe em outros países.

O exemplo real de que a internet assumiu papel protagonista nas campanhas o mundo inteiro viu em 2008, durante as eleições presidenciais dos Estados Unidos.

Brasil e Estados Unidos. Nações diferentes. Realidades distintas. Enquanto os brasileiros são obrigados a votarem, o voto no país do Tio Sam é facultativo.

O Brasil é um país subdesenvolvido, onde 30% da população têm acesso à internet. Os Estados Unidos são um país desenvolvido, 60% dos americanos se conectam a rede mundial de computadores.

Estas são algumas das diferenças entre as duas nações que explicam porque, até agora, a internet ocupou papeis distintos nas campanhas eleitorais dos dois países.

Apesar da internet ainda não ter assumido papel de destaque na comunicação entre candidato e eleitor, no Brasil, tudo indica que ela caminha para isso. Tanto que os políticos e os profissionais de comunicação perceberam a nova realidade e começaram nas eleições de 2010 a construírem as bases para a nova comunicação no próximo campeão de audiência.

As eleições 2010, portanto, podem se consideradas o marco onde a internet começa, no Brasil, a assumir o papel de relevância nas campanhas eleitorais.

domingo, 21 de novembro de 2010

Partidos aliados de Agnelo aguardam melhor momento para negociar cargos

Sionei Ricardo Leão
sionei.leao@jornaldebrasilia.com.br
(texto publicado no clicabrasília.com.br)

Mistério e discrição têm sido a tática dos partidos que apoiaram o governador eleito do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), a respeito das pretensões quanto a ocupam espaço na futura estrutura de poder do GDF. De modo geral, os dirigentes das siglas dizem que aguardam o sinal do petista e o melhor momento para colocarem na mesa de negociação o tamanho da fatia que pretendem ocupar. Mesmo quem já tem certa definição do que quer evita se colocar como candidato a determinado cargo ou pasta.

O PSB, do deputado federal e senador eleito Rodrigo Rollemberg, por exemplo, considera-se vocacionado para atuar na área da ciência e tecnologia, ou agricultura. Mesmo assim, o parlamentar desconversa. "Quem vai decidir é o governador e no tempo dele. Acho que a partir de dezembro".

sábado, 20 de novembro de 2010

Tem bode nesse negócio?

Depois da descoberta do rombo no PanAmericano, o Banco Central aponta riscos na compra de quase R$ 100 milhões em títulos pelo Banco de Brasília, o BRB

Murilo Ramos e Marcelo Rocha
(texto publicado no site da revista Época)

O Banco Central (BC) tem como uma de suas atribuições fundamentais a fiscalização do sistema financeiro nacional. Nessa missão, o BC anunciou há duas semanas a descoberta de um rombo bilionário no Banco PanAmericano, do empresário Silvio Santos. ÉPOCA obteve na semana passada uma série de relatórios que mostram a preocupação do BC com outra instituição financeira, o Banco de Brasília (BRB). As atenções dos fiscais do BC se voltam para uma operação de compra pelo BRB de títulos do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS). A transação, no valor de R$ 97,7 milhões, colocou em risco o patrimônio do banco, segundo uma auditoria interna do BRB. O negócio foi fechado no dia 25 de novembro de 2009, dois dias antes da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, responsável pela crise política que derrubou do cargo e levou para a prisão o então governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda.

Os títulos lastreados em FCVS foram criados pelo governo federal no fim da década de 1960 para captar recursos destinados a quitar dívidas residuais de mutuários incluídos no Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Desde então o mercado negocia esses papéis com preços abaixo do valor de face, com deságio. Os fiscais do Banco Central descobriram que a compra de títulos pelo BRB foi feita sem nenhuma pesquisa de mercado que avaliasse o impacto da compra de títulos nas finanças da instituição. Não foi verificado se o preços dos papéis eram vantajosos, se haveria facilidade de revenda nem se o banco optou pelo melhor investimento entre outros disponíveis no mercado. Um ofício enviado ao presidente do BRB, Nilban de Melo Júnior, pelo Departamento de Supervisão de Bancos do BC em 19 de outubro pede explicações sobre o negócio.

O jogo bruto da corrupção

Como uma promotora de Brasília extorquiu o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda com a ajuda de um assessor de seu vice Paulo Octávio

ANDREI MEIRELES
(texto publicado no site da revista Época)

Na manhã do dia 10 de julho de 2009, um automóvel Fiat Linea passou pela guarita da Granja Águas Claras, a residência oficial do governador do Distrito Federal. Seus dois ocupantes não precisaram se identificar aos seguranças. O motorista era o empresário Marcelo Carvalho, na época o principal executivo do grupo Paulo Octávio, um gigante nos setores de construção civil, hotelaria e comunicações, controlado pelo ex-vice-governador do Distrito Federal Paulo Octávio Pereira. A passageira, a promotora Deborah Guerner, chegava ali depois de uma cuidadosa preparação para um encontro com o então governador, José Roberto Arruda. De acordo com denúncia do Ministério Público à Justiça Federal, Deborah Guerner foi à casa do governador fazer uma chantagem: exigir contratos de prestação de serviço para uma empresa de coleta de lixo e, também, a quantia de R$ 2 milhões para não divulgar vídeos que mostravam Arruda e assessores recebendo dinheiro de propina.

Senador pede que donos da TV RBS esclareçam comentário de jornalista

(texto publicado no site Comunique-se)
O senador Magno Malta (PR-ES) defende que os donos da RBS (SC), afiliada da TV Globo, esclareçam o comentário de Luiz Carlos Prates, que em seu quadro, no Jornal do Almoço, culpou as pessoas de baixa renda pelo trânsito nas estradas. Na ocasião, Prates usou termos como “miseráveis” e “desgraçados” para descrever os novos consumidores, que conseguem comprar automóveis pelo crédito fácil.


Assista abaixo ao vídeo onde o "jornalista" afirma que "hoje qualquer miserável tem carro"

Comentário deste Blog: a TV RBS opera graças a uma concessão pública. Logo, ela tem a obrigação de prestar um serviço de qualidade para a população.

O comentário do homem que se diz jornalista não é, e nunca foi, um serviço de qualidade, mas, sim, um triste episódio pré-conceituoso. O mínimo que a TV RBS deveria fazer para se retratar era mandar o “jornalista” fazer um novo comentário, pedindo desculpa e se comprometendo a nunca mais falar uma asneira pré-conceituosa como aquela.

Mas se a TV não tomar nenhuma atitude, o governo deveria cassar a concessão da emissora.

Neste vídeo, o “jornalista” tenta justificar o injustificável:

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Em conjunto, Rosso e Agnelo decidem pela inauguração de UPA em Samambaia

(texto publicado na Agência Brasília)

Durante reunião na casa do governador, atual chefe do Executivo e governador eleito abordam temas relacionados à saúde. Serviços do Hospital Regional de Santa Maria e a reforma de 20 centros de saúde serão mantidos. Nenhum posto de atendimento à população será fechado

No fim da tarde desta sexta-feira (19), em sua casa, no Lago Sul, o governador Rogério Rosso recebeu o governador eleito Agnelo Queiroz para tratar de assuntos relativos à área da saúde pública. No encontro, o atual chefe do Executivo e o governador eleito conversaram sobre a manutenção nos serviços do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e a continuidade na reforma de 20 centros de saúde do Distrito Federal.

Em conjunto, Rosso e Agnelo também decidiram pela inauguração, na próxima semana, da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Samambaia. “Agnelo é médico e conhece bem a área” afirmou Rosso. “Nós reunimos todos os elementos técnicos e de gestão e ele concordou que temos que melhorar o atendimento e, inclusive, ampliar a prestação de serviços”.

A convite do governador Rosso, Agnelo poderá indicar a diretoria da nova UPA, com o objetivo de compatibilizar a primeira unidade com o modelo que deseja implantar nas demais. A previsão é que a UPA de Samambaia atenda cerca de 500 pessoas por dia.

STJ decide que Yeda Crusius responderá por desvio no Detran-RS

GRACILIANO ROCHA
DE PORTO ALEGRE
(texto publicado no site da Folha de São Paulo)

A pouco mais de um mês de deixar o cargo, a governadora Yeda Crusius (PSDB-RS) voltará à condição de ré no processo civil sobre o desvio de R$ 44 milhões do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) do Estado.

O ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Humberto Martins, acolheu anteontem recurso da Procuradoria da República contra a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que havia excluído a tucana da ação de improbidade administrativa. A governadora poderá recorrer.

Distritais se articulam para alterar relatório da CPI da corrupção

Novos deputados se encontrarão na Câmara em dezembro

(texto publicado no site da CLDF)

Os dez novos deputados distritais, eleitos em 3 de outubro, estarão na Câmara Legislativa nos dias 6 e 7 de dezembro para participar do Seminário de Ambientação que a Casa promove para passar informações sobre a administração interna, a estrutura dos gabinetes, o uso da verba indenizatória e os documentos necessários para a posse, no dia 1º de janeiro, entre outras. Também estão convidados os assessores que os deputados pretendem nomear, os parlamentares reeleitos e outros que já exerceram mandato e retornarão à Casa na próxima legislatura.

CPI da Codeplan sem quórum para debater relatório final

(texto publicado no site da CLDF)

Durou menos de 20 minutos a segunda reunião da CPI da Codeplan, convocada para debater as pendências do relatório final, mas somente o presidente da comissão, deputado Agnaldo de Jesus (PRB), e Raimundo Ribeiro (PSDB) compareceram, o que inviabilizou as discussões e mantém em suspenso a publicação do relatório final.

Agnaldo de Jesus (PRB) reclamou que "ninguém quer sentar para debater o assunto, com argumentos e documentos" e que não dará seu aval a um documento cuja leitura foi parcial, para não ser injusto. Mas garantiu que vai continuar fazendo sua parte e insistindo para reunir todos os membros da CPI e dar um fim à situação.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

GDF barra gratificação que aumentaria em 80% salários de diretores da CEB

Lula reage para barrar ‘blocão’ do PMDB e faz advertência aos aliados

Entre reuniões com a presidente eleita, Dilma Rousseff, petista articula nos bastidores retirada de PR e PP do bloco de partidos aliados no Congresso, que seria formado com peemedebistas para pressionar o futuro governo por mais espaço no ministério

João Domingos e Leonencio Nossa, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Foi rápida e forte a reação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à montagem de um "blocão" na Câmara dos Deputados liderado pelo PMDB, com 202 deputados, do qual participariam também o PR, PP, PSC e PTB. Menos de cinco horas depois do anúncio do bloco, o presidente Lula deu o troco. E arrancou de lá o PR e o PP.

Primeiro, Lula convocou ainda na noite de terça-feira ao Palácio da Alvorada a presidente eleita, Dilma Rousseff, e o ex-ministro Antonio Palocci, para orientá-los a não ceder espaço no futuro governo aos partidos que formaram o bloco. Depois, foi deflagrada uma operação nos partidos médios para desfazer o que havia sido montado pelo PMDB.

"O PR é aliado do governo e da presidente Dilma. Faz parte do governo. Não faremos nada em desacordo com o governo", declarou a seus comandados o senador Alfredo Nascimento (AM), presidente da legenda e ex-ministro de Lula. Ele disse que qualquer decisão terá de passar pela Executiva e não está nos planos a formação de um bloco.

Dilma convida Mantega a permanecer na Fazenda

(texto publicado na Folha.com)

A presidente eleita, Dilma Rousseff, decidiu convidar Guido Mantega a permanecer no Ministério da Fazenda em seu futuro governo, informam Kennedy Alencar e Valdo Cruz, na Folha desta quinta-feira (íntegra somente para assinantes do jornal e do UOL).

Segundo a Folha apurou, Lula e Dilma discutiram uma lista de nomes que a presidente eleita pretende convidar para montar o seu primeiro escalão.

Em reunião anteontem à noite no Palácio da Alvorada, Lula voltou a defender a manutenção de Mantega no comando da Fazenda.

Segundo a Folha apurou, Dilma preferia trocar a presidência do BC, mas diminuiu sua resistência em manter Meirelles porque está preocupada com uma piora da economia mundial e seus efeitos no Brasil no começo de seu governo.

Ela voltou de Seul, onde participou de reunião do G20 (grupo que reúne as maiores economias do mundo), disposta a reavaliar a sugestão de Lula para manter Meirelles no BC.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Executiva do PT-DF poderá decidir nomes de administradores

A escolha dos administradores regionais poderá ser, nos casos mais disputados, decidida em votação da Executiva Regional do PT-DF. Em outros casos, a palavra final será do governador eleito Agnelo Queiroz (PT-DF).

No Recanto das Emas, por exemplo, a escolha poderá ser decidida pela Executiva Regional. Entre os principais concorrentes pelo cargo de administrador de lá, estão a presidente da ONG Cer Negro, Lucimar Alves, o locutor da Rádio Recanto FM Divino Candido, o ex-administrador Ronaldo Martins e o líder comunitário Fábio Campos, que desenvolve projetos com os jovens na área de esporte.

As administrações regionais das periferias como Santa Maria, Recanto das Emas, Samambaia, Ceilândia, São Sebastião e Paranoá são prioridades do PT-DF.

Regiões administrativas como Lago Sul, Lago Norte ou Plano Piloto deverão ficar para os partidos aliados.

Bancada do PT-DF confirma nome de Cabo Patrício como presidenciável da CLDF

Ricardo Taffner
Noelle Oliveira
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

O Partido dos Trabalhadores articula a formação de um consenso para a eleição da Mesa Diretora da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). O objetivo é chegar em 1º de janeiro de 2011 com todos os cargos definidos e evitar qualquer tipo de embate entre os distritais. O primeiro passo para as negociações foi a apresentação do nome da legenda que pleiteará a presidência da Casa: o deputado Cabo Patrício. A bancada petista se reuniu no início da noite de ontem para comunicar a decisão a Agnelo Queiroz (PT). O compromissso foi o último do governador eleito ao longo do dia. Antes, ele teve reuniões com apoiadores da campanha e outras para reforçar promessas, como o encontro com o presidente da Seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), Francisco Caputo.

Com a maior bancada da Câmara e o cargo máximo do Executivo brasiliense garantidos nas últimas eleições gerais, o PT se tornou o protagonista das conversas sobre a composição das estruturas políticas para o próximo ano. Por mais que os parlamentares preguem a independência dos poderes, a definição dos cargos no Legislativo dependem das decisões do Executivo. Tanto que o nome do presidenciável foi lançado com a bênção de Agnelo. “Com o lançamento da minha candidatura, agora vamos nos preocupar em conversar com os parlamentares da base para formar uma chapa com consenso de união. A Câmara tem espaço para todos os partidos”, afirmou Cabo Patrício.

Regra desigual imposta pelo PMDB

A negociação pelo comando da Câmara Federal e do Senado está acontecendo de maneira desigual entre o PT e o PMDB. O partido do vice-presidente Michel Temer está impondo regras distintas para a definição dos presidentes das duas casas.

A regra a ser usada para definir a presidência da Câmara não é a mesma que será posta em prática no Senado.

Enquanto na Câmara o PT e o PMDB se revezarão na presidência, no Senado apenas os peemedebistas querem ficar no comando da casa.

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) argumenta que o PMDB tem a maior bancada do Senado e, conforme estabelece o regimento da casa, a presidência deve ser ocupada pelo partido com maior representatividade durante toda a legislatura. Os peemedebistas elegeram 19 senadores, mas a segunda maior bancada é do PT, que tem 13 senadores eleitos.

Se essa mesma regra fosse usada na Câmara Federal, o PT teria o direito de comandar a casa durante os próximos quatro anos, pois, com 88 deputados eleitos, os petistas têm a maior bancada. O PMDB tem 79 parlamentares eleitos.

Com a previsão de ter 202 deputados federais, o PMDB articula um grande bloco para acabar com a desvantagem na Câmara. Nada, contudo, impede o PT de fazer o mesmo no Senado.

PMDB monta superbloco para ter mais poder na Câmara

Bloco supera em número o tamanho da bancada do PT; José Eduardo Dutra considera 'legítima e natural' a formação de blocos entre os partidos aliados no Congresso

Denise Madueño e Andrea Jubé Vianna - Agência Estado

Em meio à disputa pelo comando da Câmara dos Deputados e em busca de espaço no futuro governo Dilma Rousseff, o PMDB montou uma ofensiva na Câmara formando um superbloco parlamentar, com cinco partidos, que reunirá 202 deputados. Os líderes do PMDB, PR,PP, PTB e PSC concluíram hoje uma reunião e anunciaram a formação do bloco.

Com isso, o bloco supera em número o tamanho da bancada do PT, que elegeu 88 deputados, e que tinha a prerrogativa de reivindicar a presidência da Casa. "Este bloco não é para confrontar, é para organizar o trabalho nesta Casa e fora dela, na composição do governo", disse o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), candidato à presidência da Câmara.

O superbloco do PMDB reúne quase a maioria dos 513 parlamentares da Câmara, o que vai obrigar a presidente Dilma a negociar com eles para aprovar projetos de seu interesse e reformas constitucionais. O PMDB e o PT concordam em dividir os dois períodos da presidência da Câmara, primeiro e segundo biênio da legislatura que começará no dia 1º de fevereiro de 2011. O PT, no entanto, quer incluir esse revezamento também no Senado, em que o PMDB tem a maior bancada e o PT a segunda. O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), já disse que não concorda que o acordo do revezamento se estenda à Casa.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

JN mostra Leonardo Bandarra visitando a casa de Débora Guerner

Eternos governistas

Existe um grupo na política que sempre se dará bem. Independente de qualquer partido, quem compõe esse grupo sempre será governo. Nunca oposição. São pessoas, na verdade, que dançam conforme a música.

No Distrito Federal (DF), por exemplo, existem muitos cabos eleitorais que trabalharam durante anos para o ex-governador Joaquim Domingos Roriz (PSC-DF). Hoje, são apoiadores do governador eleito Agnelo Queiroz (PT-DF), mas, antes, eram bajuladores do ex-governador José Roberto Arruda (eterno ex-DEM).

Isso acontece porque, quando eles percebem que o barco vai afundar, sem hesitar, abandonam o navio e procuram um novo refúgio, de preferência, uma embarcação que segue em vento e polpa.

Aconteceu em 2006, quando Roriz se candidatou a senador pelo PMDB e apoiou o então candidato José Roberto Arruda (ex-DEM-DF), que venceu já no primeiro turno.

Aconteceu neste ano, quando, no segundo turno, todas as pesquisas apontavam Agnelo Queiroz vencedor destas eleições.

Pessoas que sempre foram contra o PT, que sempre tiveram ojeriza, asco, vilipêndio pela aquela gente que usa vermelho e carrega no peito a estrela vermelha, hoje, sem nenhum pudor, fala que sempre foi petista.

Mas isso só vai durar os primeiros anos do governo de Agnelo. Assim que o barco começar a enfrentar as primeiras turbulências, eles vislumbrarão no horizonte uma nova embarcação e, no momento certo, quando o capitão Agnelo não tiver mais controle da situação, “tum”, saltarão de corpo e alma, deixando o navio afundar.

Foi exatamente isso que aconteceu no governo Arruda. Enquanto o barco navegava nas mais tenras águas, com raríssimas exceções, todo mundo era arrudista. Até que o senhor Durval Barbosa, a mando ou não de Roriz, revelou as devastadoras imagens que compõe o mais bem documentado escândalo de corrupção já visto na história deste país.

Arruda foi preso e cassado. Eles logo perceberam que o barco já não aguentava mais e saltaram para junto do capitão Agnelo. Outros foram para junto de Roriz, mas logo depois mudaram de ideia e decidiram seguir os “companheiros”, principalmente, quando viram o enquadramento do ex-governador na lei da ficha limpa.

Para essa gente, é assim que se faz política, é assim que é a política. Ontem, todo mundo era DEM. Hoje, todo mundo é PT. Amanhã, PSDB.

De malas prontas

Dora Kramer - O Estado de S.Paulo

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, foi convencido por seus pares a desistir da ideia de promover a fusão do DEM com um partido de musculatura mais forte, PSDB ou PMDB.

Em compensação, quem pensa seriamente em deixar o DEM agora é o próprio Kassab. Na verdade "pensar seriamente" é eufemismo, pois o prefeito está praticamente com um pé fora do partido e outro dentro do PMDB. Coisa para março, no máximo.

As malas estão quase todas prontas, faltando apenas alguns acertos com os dois políticos que Gilberto Kassab tem como referência: Jorge Bornhausen, que lhe deu chance de crescer no PFL, e José Serra, que abriu a oportunidade de ser prefeito de São Paulo ao aceitá-lo como vice na eleição municipal de 2004.

Irregularidades em pelo menos 35 processos da Brasiliatur são comprovadas

Luísa Medeiros
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

As consecutivas prorrogações no prazo de encerramento da Empresa Brasiliense de Turismo (Brasiliatur) motivaram representantes do setor de turismo no Distrito Federal a levar ao governador eleito, Agnelo Queiroz (PT), num encontro previsto para hoje, a preocupação com o futuro da empresa. Criada na gestão de José Roberto Arruda para fomentar o turismo, a Brasiliatur ficou conhecida ao protagonizar denúncias de irregularidades, como contratação de serviços sem licitação, pagamento de cachês fora do padrão de mercado e manutenção de quadro de funcionários sem concurso público. A empresa está em processo de liquidação desde maio deste ano. Nesse período, algumas das suspeitas de irregularidades foram comprovadas.

O movimento liderado pelo Convention & Visitors Bureau de Brasília quer convencer o novo chefe do Executivo a enterrar a modelo adotado até então. Uma das alternativas defendidas por parte dos empresários é a de transformar a Brasiliatur numa sociedade anônima para facilitar as ações de promoção do turismo. Nesse formato, o governo se tornaria um parceiro e não a fonte principal de repasse de recursos, como ocorreu ao longo dos três anos de existência da empresa...

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Partidos se articulam pelos cargos de secretários na Câmara Legislativa

Luísa Medeiros
(texto publicado no Correio Braziliense)

O movimento para a formação dos blocos partidários na próxima legislatura da Câmara começou. Enquanto os deputados distritais do PT estão focados na disputa pela presidência da Casa e não mostram preocupação em unir outras legendas ao time vermelho, colegas parlamentares intensificam as conversas sobre composição de grupos para ganharem chances de pleitear algum lugar na Mesa Diretora ou em alguma comissão estratégica. O resultado da última eleição fragmentou ainda mais o poder no universo legislativo. No atual cenário, 13 partidos ocupam cadeiras na Câmara Legislativa. Em 2011, o número subirá para 17, o que provocou um esforço de aproximação entre os políticos para conquistar mais força na Casa.

O DEM emplacou apenas dois deputados nas urnas: Eliana Pedrosa e Raad Massouh. Com o PMDB, ocorreu a mesma coisa. Rôney Nemer e Benício Tavares conseguiram se reeleger. A aproximação das legendas, nesse momento, não necessariamente tem a ver com a posição que cada lado tomou durante a campanha. É mais uma questão de segurar algum espaço dentro da Casa. Ao Correio, a distrital contou que tem feito um movimento com o PMDB para compor um bloco. Pelo regimento interno da Câmara, são necessários três partidos para montar um grupo partidário. Há quem diga que o número ideal seja quatro, para não correr o risco de perder no quesito proporcionalidade. “As conversas já se iniciaram, tenho feito um movimento no PMDB para compor comissões ou ter um lugar na Mesa”, afirmou Eliana.

sábado, 13 de novembro de 2010

Presidente da Associação dos Feirantes, Caio Donato, é preso

André Corrêa
Mara Puljiz
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

O presidente regional no DF do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), Caio Donato, foi preso na manhã deste sábado (13/11) por policiais civis da Divisão Especial de Repressão aos Crimes Contra a Administração Pública (Decap) por formação de quadrilha, corrupção e concussão, que é extorsão praticada por servidor público. A operação Fafnir II contou com apoio da Divisão de Operações Especiais (DOE) e agentes da 3ª DP.

Superlotação e falta de pessoal seriam causas para mortes de bebês no Hras

Superlotação e falta de médicos são apontados como as causas para o alto índice de mortalidade registrado desde o início de outubro no Hospital Regional da Asa Sul. Apenas nos primeiros 10 dias de novembro, seis recém-nascidos perderam a vida na unidade

Ariadne Sakkis
Helena Mader
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

Três meses depois do aparecimento da superbactéria Klebsiella Pneumoniae Carbapenemase (KPC) no Distrito Federal, mais um surto de infecção hospitalar ameaça a rede pública. E agora, os pacientes atingidos pelo problema são ainda mais vulneráveis. Desde o início de outubro, 11 recém-nascidos morreram no Hospital Regional da Asa Sul (Hras) em virtude da contaminação por três tipos de bactérias. Nos primeiros 10 dias de novembro foram seis óbitos por infecção hospitalar, mais do que o total registrado no mês passado, quando cinco bebês morreram depois de contraírem as bactérias no hospital.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Saúde pública no DF: roubo seguido de morte

A saúde pública no Distrito Federal (DF) deveria ser tratada como um caso de polícia. Latrocínio, roubo seguido de morte, é o crime a ser investigado e punido.

Graças a ação criminosa, faltam nos hospitais do DF medicamentos, equipamentos e leitos nas Unidades de Terapias Intensivas (UTIs). Sem a devida atenção, pessoas, tratadas pior que gados ou porcos, morrem nas filas.

O latrocínio é praticado por meio de uma má gestão proposital. As licitações para aquisição de medicamentos e equipamentos não são feitas no seu devido prazo, o que leva os hospitais a não atenderem a demanda da população. Para evitar a morte dos pacientes, a justiça se vê obrigada a autorizar a compra emergencial, sem licitação. Com isso, os medicamentos e equipamentos são comprados por um preço bem mais alto do que sairia, se fossem realizadas as licitações.

As licitações, muitas vezes, não são realizadas no prazo porque o Ministério Público encontra inúmeras irregularidades nos contratos.

O caso é muito complicado, mas, há anos, a prática é repetida sistematicamente. O mais prejudicado não é nem aquele que tem o dinheiro de seus impostos tragados pelo superfaturamento das compras emergenciais. Mas, sim, aqueles que perdem a vida por falta de um atendimento adequado.

Está mais do que provado que o grande problema da saúde pública do DF não é a falta de dinheiro, mas, sim, a má gestão.

Divulgado em 29 de junho, relatório da Controladoria Geral da União (CGU) apontou o superfaturamento de 23 milhões na compra de medicamentos. O documento, que analisou como foi gasto o dinheiro dos impostos arrecadados em todo Brasil e repassado para o DF, pelo governo federal, entre 2006 e 2009, revelou que mais de 218 milhões e 730 reais que deveriam ser aplicados na saúde pública permanecem fazendo caixa do Bando Regional de Brasília (BRB).

De acordo com o relatório do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus), entre março de 2009 e outubro deste ano, o Hospital de Santa Maria, que foi privatizado no governo de José Roberto Arruda (ex-DEM), recebeu da Secretaria de Saúde 140 milhões de reais. A Sociedade Espanhola, que administra o Hospital, não sabe explicar como foram gastos 10 milhões desse dinheiro, conforme noticiou o DF TV, telejornal da Rede Globo Brasília (clique aqui e veja).

Se o dinheiro superfaturado e torrado sem explicação for somado com os recursos que fazem caixa no BRB, a saúde pública teria mais de 250 milhões para serem investidos. Isso sem contar o dinheiro do Mensalão do DEM que foi parar em cuecas, meias e bolsas.

Existem, portanto, recursos e a população clama por uma solução definitiva para o caos da saúde pública. O novo governador do DF, Agnelo Queiroz (PT-DF), assumiu o compromisso de, a partir de 1º de janeiro, ser o responsável direto pela área.

Tomara que o problema seja, de fato, resolvido.

Recursos destinados à compra de medicamentos teriam sido gastos com passagens aéreas e hospedagens

Auditoria revela que gestor do Hospital de Santa Maria gastou sem comprovar

Adriana Bernardes
(texto publicado no site do Correio Braziliense)

Uma auditoria feita pelo Ministério da Saúde na prestação de contas da Organização Social Real Sociedade Espanhola Beneficência aponta indícios de mau uso do dinheiro público. Há suspeitas de que recursos destinados à compra de medicamentos e equipamentos para o Hospital Regional de Santa Maria tenham sido gastos com passagens aéreas e hospedagens em hotéis de luxo em Brasília, Salvador e São Paulo sem que sequer fosse apresentada a devida comprovação dos gastos.

A movimentação financeira da organização social pode indicar ainda que parte do dinheiro pago pelo GDF era aplicado, quase integralmente, no mercado financeiro em contas da Real Sociedade no Nordeste. Mas, pelo contrato, apenas o dinheiro não usado no referido mês poderia ter essa destinação e desde que os rendimentos fossem revertidos em investimentos no hospital.

De janeiro de 2009 até agosto deste ano, a Secretaria de Saúde repassou R$ 140,1 milhões para a Real Sociedade gerir a unidade de saúde. Nem tudo o que foi pago, no entanto, teve a devida prestação de contas. As suspeitas de ilegalidade na execução do contrato levaram o Governo do DF a decretar uma intervenção na unidade de saúde esta semana, que será comandada pelo médico Cláudio Bernardo Pedrosa de Freitas.